O que as pessoas do mundo todo fazem para ser mais saudáveis

81

“Em quais práticas você investe regularmente para melhorar sua saúde?”. Este ano, 23 mil pessoas responderam a essa pergunta a pedido da GfK, empresa de pesquisa de mercado. Foram contemplados, por meio de um questionário online, voluntários de 17 países: Argentina, Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Itália, Japão, México, Holanda, Rússia, Coreia do Sul, Espanha, Inglaterra e Estados Unidos.

Curiosamente, dormir bem foi o hábito mais citado — 65% de todos os respondentes revelaram priorizar o sono para viver mais e melhor. O dado, inclusive, não mudou em relação a 2014, quando o estudo foi realizado pela primeira vez. Cuidados com a alimentação (65%) e atividade física (64%) completam o pódio.

Passar mais tempo com a família ou com animais de estimação (62%), cuidar da pele e da higiene pessoal (46%) e dar folga à tecnologia e às redes sociais (34%) aparecem em seguida. Aliás, houve uma valorização dessas questões em comparação a três anos atrás, o que denota a importância atribuída à autoestima e ao bem-estar mental na saúde como um todo.

Dietas específicas (30%), técnicas de meditação e relaxamento (25%) e medicina alternativa (23%) também merecem destaque. Procedimentos estéticos invasivos e não-invasivos ocupam a última posição da lista, com 10%. Apenas 1% dos participantes não escolheu pelo menos uma das opções.

Vale destacar que, até o momento, trouxemos dados dos participantes do mundo todo. Abaixo, você confere as respostas dos 1 513 respondentes brasileiros. Dá pra notar que, em geral, os voluntários do nosso país alegam estar fazendo mais por sua saúde hoje do que no passado:

Cuidados com a alimentação
2017: 70%
2014: 63%

Atividade física
2017: 69%
2014: 54%

Dormir bem
2017: 68%
2014: 67%

Passar mais tempo com a família ou com animais de estimação
2017: 68%
2014: 67%

Comprar produtos de beleza, cuidados com a pele e higiene pessoal
2017: 50%
2014: 47%

Dar folga à tecnologia e às redes sociais
2017: 34%
2014: 28%

Dietas específicas
2017: 28%
2014: 19%

Medicina alternativa
2017: 23%
2014: 17%

Procedimentos estéticos invasivos e não-invasivos
2017: 8%
2014: 6%

Nenhuma das alternativas
2017: 1%
2014: 4%