Connect with us

MUNDO

Cientistas investigam criatura que pode desvendar chave para a imortalidade.

Publicado

em

Anêmonas-do-mar são facilmente avistadas no litoral de muitas cidades, mas apesar de sua aparência colorida e brilhante, elas têm um ancestral comum com os humanos. Mas não é por essa característica que esses animais marinhos vêm atraindo a atenção da comunidade científica. Pesquisadores estão estudando se as anêmonas-do-mar podem guardar o segredo da vida eterna. A especialista britânica em meio ambiente Mary Colwell comenta por quê.

A bruxa do conto de fadas Branca de Neve tornou-se famosa pela pergunta retórica: “Espelho meu espelho meu, existe alguém mais bela do que eu?” Mas seu sonho da juventude eterna é ilusório – na medida em que os anos passam, o corpo humano perde o viço dado que as células sofrem mutação e morrem. Perdemos audição, mobilidade, agilidade mental, massa muscular e cerebral.

A Rainha Má segue o caminho de todos os seres vivos, exceto por uma criatura um tanto quanto negligenciada do mar – a anêmona-do-mar.

Outrora consideradas plantas, as anêmonas-do-mar são animais de corpo flexível que se agarram às rochas e recifes de coral em águas rasas. Seus tentáculos injetam veneno em pequenos peixes e camarões que se arriscam em atravessá-los e levam as presas paralisadas à sua boca –um orifício que também funciona como ânus.

Há mais de mil espécies de anêmonas-do-mar, cujo tamanho varia de alguns centímetros a mais de alguns metros. Elas vivem no oceano, das águas mais quentes às mais frias.

A espécie mais familiar na Grã-Bretanha é a Actinia equina, também conhecida como morango-do-mar. Na maré baixa, seus tentáculos permanecem recolhidos e o animal parece uma mancha vermelha na rocha. Mas na medida em que a maré sobe, as anêmonas-do-mar se transformam e se assemelham a flores, seus tentáculos dançam com a correnteza como pétalas ao vento, buscando comida.

Como diz o biólogo Philip Henry Gosse em seu livro A Year at the Shore (“Um ano no litoral”, em tradução livre): “A elegância maravilhosa da forma, o brilho requintado das cores, a grande variedade, os instintos, os poderes, o organismo extremamente elaborado, tudo isso foi outorgado a essas criaturas”. Sua prosa efusiva inspirou quem estava começando a explorar o seu litoral. Seus leitores costumavam coletar anêmonas-do-mar e guardá-las em aquários em casa.

Imortalidade?

Normalmente, as anêmonas-do-mar não vivem por muito tempo, mas em condições ideais a realidade é diferente.

“Pelo que sabemos até agora, esses animais são imortais”, diz Dan Rokhsar, professor de genética da Universidade da Califórnia, em Berkeley. “Elas vivem por muito tempo –uma delas teria vivido 100 anos segundo um registro documentado. As anêmonas-do-mar não envelhecem. Esses animais vivem para sempre e se proliferam, tornando-se cada vez maiores”.

Se os tentáculos são cortados, por exemplo, nascem novos. Mesmo se as bocas são cortadas, novas “cabeças” surgem. Se elas não forem envenenadas ou comidas por outras criaturas, elas parecem poder viver para sempre.

Elas parecem evitar o processo de envelhecimento e os efeitos adversos que nós, seres humanos, sofremos ao longo do tempo. “Você deveria ver tumores nesses animais, mas há poucas descrições disso na literatura científica. Eles estão constantemente se recompondo sem apresentar nenhum sinal de câncer”, diz Rokhsar.

Ao invés de envelhecer, as anêmonas-do-mar parece permanecer jovens e em pleno funcionamento. “Se você olhar para uma anêmona-do-mar hoje e uma semana depois a estrutura será igual, mas muitas das células terão sido substituídas por outras novas”.

Os cientistas não sabem ainda como isso é possível. “Adoraríamos poder descobrir um gene ou uma pista que nos permita evitar o envelhecimento”, diz Rokhsar. Mas ele e sua equipe ainda estão buscando pelo Santo Graal.

Semelhanças

Mas se eles acharem o que estão buscando, isso terá algum impacto no processo de envelhecimento humano? Na verdade, as anêmonas-do-mar são mais parecidas com os humanos do que muitas pessoas pensam.

Na verdade, as anêmonas-do-mar são mais parecidas com os humanos do que muitas pessoas pensam.

“As anêmonas-do-mar são os animais mais simples de que temos conhecimento com um sistema nervoso –a estrutura não é organizada como a nossa, mas elas têm uma rede de neurônios que lhes permite responder aos estímulos e ser predadoras muito ativas”, diz Rokhsar.

Seus tentáculos podem imobilizar a presa, suas bocas podem abrir e fechar voluntariamente, e elas têm um aparelho intestinal que digere a comida –uma característica que as une aos seres humanos em um ancestral comum.

“As anêmonas-do-mar têm muito em comum conosco. Descobrimos muitas semelhanças que não tínhamos constatado quando comparamos os humanos com mosca-das-frutas ou nematódeos. Há paralelos na forma como os genomas estão organizados e como os genes estão estruturados, revelando uma conexão que data de 700 milhões de anos atrás.”

Mas há questões filosóficas também. “Até que ponto a imortalidade para uma anêmona-do-mar e a imortalidade para um ser humano são iguais?”, questiona Rokhsar.

PESQUISA:

José Alves de Araújo
COLABORANDO C/BARRA PORTAL

Continue lendo
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

MUNDO

Robô ‘Perseverança’ pousa em Marte e manda primeiras imagens

Publicado

em

A sonda Perseverance, da Nasa, pousou em Marte na tarde desta quinta-feira, 18, sete meses depois de partir da Terra.

O Perseverance Mars rover pousou com sucesso na cratera Jezero do planeta vermelho e mandou as primeiras imagens. (fotos abaixo)

“É realmente o começo de uma nova era”, disse o administrador associado da Nasa para a ciência, Thomas Zurbuchen, durante o webcast da agência espacial americana que mostrou a chegada do robô ao planeta.

O robô movido a energia nuclear tem a missão de trazer as primeiras amostras de rocha marciana – possivelmente incluindo fósseis alienígenas – de volta à Terra.

O rover, apelidado de “Percy” por seus engenheiros, foi lançado do Cabo Canaveral, Flórida, em julho, e viajou 300 milhões de milhas até Marte.

Na quinta-feira, a cápsula que transportava o Perseverance finalmente chegou na atmosfera marciana a cerca de 19.000 km / h, lançou um paraquedas de 21 metros de largura para diminuir sua queda e, em seguida, largou seu escudo térmico.

Isso deu às câmeras e ao sistema de radar do robô uma visão da paisagem.

Um sistema de navegação a bordo foi usado para encontrar um ponto de pouso seguro.

Logo após o pouso, foram postadas na conta no Twitter da sonda, as primeiras imagens registradas pela Perseverance no solo de Marte. (veja abaixo)

A equipe comemora o pouso Foto: New York Times
A equipe comemora o pouso Foto: New York Times

Veja as duas primeiras fotos:

"Olá Mundo. Meu primeiro olhar na minha casa eterna", escreveu a conta no Twitter da sonda Perseverance ao postar a primeira imagem registrada em Marte Foto: Twitter/ Reprodução
“Olá Mundo. Meu primeiro olhar na minha casa eterna”, escreveu a conta no Twitter da sonda Perseverance ao postar a primeira imagem registrada em Marte
Foto: Twitter/ Reprodução
 
"E outro olhar atrás de mim. Bem-vindos à cratera de Jezero", escreveu a conta da sonda ao postar a segunda imagem de Marte Foto: Twitter/ Reprodução
“E outro olhar atrás de mim. Bem-vindos à cratera de Jezero”, escreveu a conta da sonda ao postar a segunda imagem de Marte
Foto: Twitter/ Reprodução
 
Ilustração da cratera de Jezero onde o Perse pousou nesta quinta Foto: NASA
Ilustração da cratera de Jezero onde o Perse pousou nesta quinta Foto: NASA
 
Ilustração do robô Persevarance Foto: NASA
Ilustração do robô Persevarance Foto: NASA

Com informações da CNN e Business Insider

Continue lendo

MUNDO

Papa: o mundo precisa de fraternidade e esperança tanto quanto de vacina

Publicado

em

A audiência ao Corpo Diplomático constitui um dos eventos mais tradicionais do ano no Vaticano. Ao receber os embaixadores, o Papa formula seus votos de felicitações a todos os mais de 180 países com os quais a Santa Sé mantém relações diplomáticas. Mas, sobretudo, é a ocasião em que o Pontífice faz uma análise da atual conjuntura sociopolítica mundial.

A pandemia e suas consequências guiaram a reflexão de Francisco, identificando em seu longo discurso as crises que a Covid-19 provocou em escala global. O mundo está doente, afirmou o Papa, e não só por causa do vírus.

Crise sanitária

 

A doença e a morte ficaram muito mais palpáveis com a pandemia, o que leva a recordar o valor da vida, “de cada vida humana e da sua dignidade, em todos os momentos, desde a concepção no ventre materno até ao seu fim natural”.

Francisco manifestou sua dor com o fato de que muitas legislações no mundo se afastaram do seu dever primário de defender a vida, legalizando o aborto com o pretexto de garantir “pretensos direitos subjetivos”.

Mais uma vez o Pontífice renovou seu apelo para que os cuidados na área na saúde, como as vacinas, por exemplo, estejam à disposição de todos, sobretudo dos mais vulneráveis. Recordando, porém, que é responsabilidade de todos manter um comportamento responsável para si e para os demais.

 

Crise ambiental

 

Contudo, constatou o Papa, “não é apenas o ser humano que está doente, a nossa Terra também”. Francisco citou a exploração indiscrimanada dos recursos naturais e as mudanças climáticas, que provocam, por sua vez, insegurança alimentar e desastres ambientais. Burkina Faso, Mali, Níger e Sudão do Sul foram alguns dos países destacados. Mas também a Austrália e a Califórnia.

 

Crise econômica e social

 

No campo econômico, a pandemia obrigou muitos países a adotarem quarentenas e lockdowns para conter a difusão do vírus, com o consequente aumento do desemprego e da vulnerabilidade social. Crises humanitárias foram acentuadas, como o tráfico de seres humanos, a exploração da prostituição e o fluxo migratório. O Papa mencionou a tensão na região moçambicana de Cabo Delgado, na Síria e no Iemên. E as violações cometidas contra milhares de deslocados, refugiados e repatriados.

Esta crise evidenciou que é necessária uma “nova revolução copernicana”, que coloque de novo a economia a serviço do homem e não vice-versa. E recordou que a Santa Sé considera ineficaz a lógica das sanções de um país contra o outro.

“Oxalá esta conjuntura que estamos a atravessar sirva, igualmente, de estímulo para perdoar ou, pelo menos, reduzir a dívida que pesa sobre os países mais pobres, impedindo efetivamente a sua recuperação e pleno desenvolvimento.”

 

Crise política

 

A política também sofreu de Oriente a Ocidente, mesmo em países de longa tradição democrática. O Papa constatou um “aumento das contraposições políticas e a dificuldade, senão mesmo a incapacidade, de procurar soluções comuns e partilhadas para os problemas que afligem o nosso planeta”.  

E encorajou os países a empreenderem reformas. Manifestou sua satisfação com o Tratado para a Proibição das Armas Nucleares, com sua iminente viagem ao Iraque e o prolongamento do Acordo Provisório entre Santa Sé e China sobre a nomeação dos Bispos. “Trata-se de um entendimento de caráter essencialmente pastoral e a Santa Sé espera que o caminho percorrido continue, em espírito de respeito e mútua confiança.”

O Papa desejou paz para Mianmar, Líbano, Terra Santa e Líbia e fez votos de que em 2021 se possa inscrever a palavra “fim” no conflito na Síria.

Paz também para a República Centro-Africana, Coreia. Para a América Latina, os votos são para que se consiga aliviar as tensões políticas e sociais, “cujas raízes se encontram nas profundas desigualdades, nas injustiças e na pobreza, que ofendem a dignidade das pessoas”.

O terrorismo também preocupa o Santo Padre, que com frequência atinge os locais de culto, “com uma consequência direta da defesa da liberdade de pensamento, consciência e religião”.

 

Crise dos relacionamentos humanos

 

Mas para Francisco, há uma crise que talvez seja a mais grave de todas: a crise dos relacionamentos humanos, expressão de uma crise antropológica geral.

O Papa manifestou sua preocupação com a “catástrofe educativa”, acirrada com a pandemia, que evidenciou a desigualdade no acesso à instrução, relegando milhões de estudantes a um limbo pedagógico.

A Covid-19 impactou também nos relacionamentos familiares, com o aumento da violência doméstica e nas limitações da liberdade religiosa.

“Um bom cuidado do corpo nunca pode prescindir do cuidado da alma”, disse Francisco, que concluiu:

“O ano de 2021 é um tempo a não perder; e não se perderá na medida em que soubermos colaborar com generosidade e empenho. Neste sentido, considero que a fraternidade seja o verdadeiro remédio para a pandemia e os inúmeros males que nos atingiram. Fraternidade e esperança são remédios de que o mundo precisa, hoje, tanto como as vacinas.”

Continue lendo

Facebook

Publicidade

Copyright © 2020 Barra Portal - Todos os direitos reservados