Connect with us

BRASIL

Cristiano Araújo recebe homenagens

Publicado

em

Diversos famosos e cantores sertanejos prestaram homenagens a Cristiano Araújo na manhã desta quarta-feira (24). Cristiano, de 29 anos, e a namorada Allana Coelho, de 19, morreram em um grave acidente de carro nesta madrugada em Goiás.

“Meu Deus, não está dando pra acreditar!!! Parece um pesadelo. Que tragédia!!! Cristiano Araújo, vc fará muita falta irmão. #luto”, disse César Menotti no Instagram. Na mesma rede social, Thaeme escreveu: “Que Deus o tenha, meu amigo! Vc fará MUITA FALTA!!!!!! @cristianoaraujo não posso acreditar!”.

Bruno Cardoso, vocalista do grupo de pagode “Sorriso Maroto”, também se manifestou: “#DescanseEmPaz #CristianoAraujo @cristianoaraujo. Não tem como não pensar em nós artistas/músicos que vivemos em busca do nossos sonhos pelas estradas desse mundão”.

Ana Maria Braga também comentou a morte de Cristiano Araújo ao vivo no “Mais Você” desta quarta-feira. “Uma triste notícia para nós que gostamos de boa música, música romântica. Ele foi lançado aqui no nosso programa em 2012. Veio com esse jeitinho nas mãos do Leonardo. Quero mandar um beijo para o Leo, que deve estar arrasado”, falou.

No Twitter, Valesca Popozuda foi mais uma a prestar homenagem: “Todo conforto aos fãs , familiares e amigos do Cristiano Araújo e namorada! Meus sentimentos! Que descansem em paz! ”

Gusttavo Lima tinha usado a rede social antes da confirmação da morte do cantor: “Que notícia horrível, que Jesus conforte o coração de todos familiares, estamos todos orando por você…Força Cristiano!!!”.

O acidente

Cristiano voltava de um show em Itumbiara, a 200 km de Goiânia, quando o carro em que ele estava capotou. O cantor e a namorada estavam no banco de trás do veículo. Allana morreu no local e Cristiano chegou a ser socorrido e levado de helicóptero a um hospital em Goiânia, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no caminho. No carro ainda estavam o empresário Victor Leonardo e o segurança Ronaldo Ribeiro, que dirigia o veículo. Eles usavam cinto de segurança, tiveram ferimentos leves e passam bem.

A assessoria de imprensa do cantor informou que o velório será realizado no Ginásio Goiânia Arena, na capital. O horário ainda não foi definido, pois depende da liberação do corpo do sertanejo.

Divulgação/PRF

IG

Continue lendo

BRASIL

Desemprego no Brasil salta a taxa recorde de 14,6% no 3º trimestre e atinge 14,1 milhões

Publicado

em

O desemprego no Brasil saltou para a taxa recorde de 14,6% no trimestre encerrado em setembro, afetando 14,1 milhões de pessoas, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Mensal (PNAD Contínua), divulgada nesta sexta-feira (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O índice de 14,6% corresponde a um aumento de 1,3 ponto percentual em relação ao 2º trimestre (13,3%), e de 2,8 pontos percentuais frente ao mesmo intervalo do ano passado (11,8%).

“Essa é a maior taxa registrada na série histórica do IBGE, iniciada em 2012, e corresponde a 14,1 milhões de pessoas. Ou seja, mais 1,3 milhão de desempregados entraram na fila em busca de um trabalho no país”, informou o IBGE.

O desemprego vem renovando recordes desde julho no país em meio ao retorno à força de trabalho daqueles que perderam sua ocupação na pandemia mas não estavam procurando um emprego.

Segundo a analista da pesquisa, Adriana Beringuy, o aumento na taxa de desemprego também reflete a flexibilização das medidas de isolamento social para controle da pandemia de Covid-19. “Em abril e maio, as medidas de distanciamento social ainda influenciavam a decisão das pessoas de não procurarem trabalho. Com o relaxamento dessas medidas, começamos a perceber um maior contingente de pessoas em busca de uma ocupação”, afirma.

População ocupada cai para nova mínima histórica

A população ocupada no Brasil encolheu 1,1% em 3 meses, para 82,5 milhões, atingindo o patamar mais baixo da série histórica, segundo o IBGE. Em 12 meses, o país perdeu 11,3 milhões de postos de trabalho, considerando todas as formas de atuação no mercado de trabalho.

Com o novo recuo, o nível de ocupação encolheu para 47,1%, o menor da série histórica, contra 47,9% no trimestre anterior (47,9%). Desde o trimestre encerrado em maio, o nível de ocupação está abaixo de 50%, o que aponta que menos da metade da população em idade para trabalhar está ocupada no país.

Na comparação com o trimestre anterior, a taxa de desemprego subiu em dez estados e ficou estável nos demais. As maiores taxas foram na Bahia (20,7%), em Sergipe (20,3%) e em Alagoas (20,0%). Já a menor foi registrada em Santa Catarina (6,6%).

Resumo
Entre os principais destaques da pesquisa, segundo o IBGE, estão:

  • Mais 1,3 milhão de pessoas entraram na fila em busca de um trabalho no 3º trimestre frente ao segundo;
  • A taxa de desemprego subiu em 10 estados e ficou estável nos demais. Bahia (20,7%) teve a maior taxa e Santa Catarina (6,6%), a menor;
  • Taxa de desemprego foi de 12,8% para os homens e 16,8% para as mulheres;
  • O contingente de ocupados atingiu mínima histórica de 82,5 milhões de pessoas;
  • Nível de ocupação foi de 47,1%; ou seja, menos da metade da população em idade para trabalhar está ocupada no país;
  • O número de pessoas com carteira assinada caiu 2,6% frente ao 2º trimestre, com perda de 790 mil postos;
  • A taxa de informalidade ficou em 38,4%, o que corresponde a 31,6 milhões de pessoas;
  • Ocupação aumentou somente na construção e na agricultura.

Perspectivas

Apesar da reação da economia no 3º trimestre, com recuperação de parte significativa das perdas, analistas avaliam que a taxa de desemprego deve continuar em trajetória de alta nos próximos meses considerando o fim dos programas de auxílio e as incertezas sobre a evolução da pandemia e sobre o andamento de medidas de ajuste fiscal para garantir a sustentabilidade das contas públicas.

G1

Continue lendo

BRASIL

Brasil chega a 6,2 milhões de casos de Covid-19 em mais um dia com alto número de infecções

Publicado

em

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) — O Brasil chegou a 6.204.570 de casos de Covid-19, nesta quinta-feira (26), dia em que houve registro de 37.672 infecções pelo novo coronavírus. O país também documentou 698 mortes pela doença, chegando com isso a 171.497 óbitos desde o início da pandemia.

Os dados são fruto de colaboração inédita entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

O jornal Folha ainda divulga a chamada média móvel. O recurso estatístico busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete.

De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 479, o que representa um cenário de aumento de mortes em relação à média de 14 dias atrás. Nas últimas semanas, o país variou entre situações de queda da média e estabilidade.

A média recente, porém, foi afetada por um apagão de dados de alguns estados. De toda forma, dados do país e especialistas que os acompanham têm apontado tendências de aumento de casos de Covid-19.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorre em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

 

Continue lendo

Facebook

Publicidade

Copyright © 2020 Barra Portal - Todos os direitos reservados