Connect with us

SAÚDE

Isto é o que você deve comer de acordo com seu tipo de sangue!

Publicado

em

A dieta do tipo sanguíneo serve como orientação na hora de escolher quais os alimentos que devemos consumir.

Ela surgiu há 20 anos, quando o dr. Peter J. d’Adamo publicou nos Estados Unidos o livro “Eat Right For Your Type” (Alimente-se Corretamente de Acordo com Seu Tipo de Sangue).

A dieta segue esta premissa: cada tipo de sangue deve seguir uma dieta específica.

Assim, para cada grupo sanguíneo, os alimentos são classificados como:

benéficos: alimentos que previnem e tratam doenças;

neutros: alimentos que não previnem doenças, mas não prejudicam a pessoa;

nocivos: alimentos que podem agravar ou causar danos à pessoa.

Já surgiram muitas críticas para a dieta criada por Peter J. d’Adamo.

Muitos dizem que ela é uma “farsa”.

Mas quem está com a razão?

Os críticos ou o autor da dieta?

Você mesmo(a) pode tirar sua conclusão e não ser “maria vai com as outras”.

Se quiser experimentar a dieta para avaliar os resultados, saiba o que pode e o que não pode consumir cada tipo de sangue:

SANGUE DO TIPO O

As pessoas com sangue do tipo O são carnívoras, têm o aparelho intestinal forte e necessitam comer proteínas animais diariamente.

Caso contrário, podem desenvolver doenças gástricas, como úlcera e gastrite, devido à alta produção de suco gástrico.

Alimentos benéficos

Carnes: bovina, carneiro, vitela, cordeiro.

Peixes: bacalhau, badejo, sardinha, linguado, salmão.

Laticínios: queijo de leite de cabra, queijo de soja.

Frutas: ameixa, nozes, figo, semente de abóbora.

Verduras: abóbora, brócolis, espinafre, alface romana, acelga, salsa.

Cereais: apenas o trigo germinado.

Outros: azeite de oliva.

Alimentos neutros

Carnes: frango e peru.

Peixes: atum, camarão, lagosta.

Frutas: noz-pecã, castanhas, avelã, pinha.

Verduras: abobrinha, agrião, inhame.

Cereais: farelo de arroz, farinha de trigo integral.

Alimentos nocivos

Carnes: carne de porco e derivados, como presunto e bacon.

Laticínios: queijos, creme de leite, iogurte, leite (integral ou magro), sorvete.

Peixes: caviar, salmão defumado, polvo.

Frutas: laranja, morango, coco, amora, amendoim, castanha-do-pará, pistache, castanha de caju, abacate.

Verduras: berinjela, batata-inglesa, champignon, milho, repolho.

Cereais: aveia, trigo, cuscuz e pão branco.

Outros: óleo de milho, óleo de amendoim.

SANGUE DO TIPO A

As pessoas com sangue do tipo A são vegetarianas com aparelho intestinal sensível e têm dificuldade para digerir proteínas de origem animal, pois sua produção de suco gástrico é mais limitada.

Alimentos benéficos

Carnes: evitar carnes vermelhas.

Peixes: bacalhau, salmão vermelho, salmão, sardinha, truta.

Laticínios: queijo de soja.

Frutas: abacaxi, ameixa, cereja, figo, limão, amora, damasco.

Verduras: abóbora-moranga, alface romana, acelga, brócolis, cenoura, alcachofra, cebola.

Cereais: farinhas de centeio, arroz, soja e aveia, pão de farinha de soja.

Outros: alho, molho de soja, missô, melado de cana, gengibre, chá verde, café normal, vinho tinto.

Alimentos neutros

Carnes: frango e peru.

Peixes: atum, pescada.

Laticínios: iogurte, muçarela, ricota, iogurte com frutas, coalhada, queijo-minas.

Frutas: melão, passas, pera, maçã, morango, uva, pêssego, goiaba, kiwi.

Verduras: agrião, chicória, milho, beterraba.

Cereais: fubá de milho, flocos de milho, cevada.

Outros: açúcar branco, chocolate, alecrim, mostarda (seca), noz-moscada, manjericão, açúcar mascavo, orégano, canela, hortelã, salsa, sálvia.

Alimentos nocivos

Carnes: bovina, carneiro, cordeiro, pato, porco e derivados, vitela.

Peixes: mexilhões, lagostim, salmão defumado, caviar, ostra, lagosta, camarão, caranguejo.

Laticínios: creme de leite, sorvete, leite magro e integral, manteiga, requeijão.

Frutas: caqui, carambola, coco.

Verduras: repolho, tomate, inhame, batata, berinjela, batata-doce.

Cereais: creme e germe de trigo, farinha de trigo integral, pão preto, pão integral, farinha branca, granola.

Outros: alcaparra, gelatina pura, pimenta em grão, vinagre, cerveja, licor, chá preto, refrigerante.

SANGUE DO TIPO B

As pessoas com sangue tipo B toleram uma dieta mais variada.

Esse é o tipo de sangue que tolera bem laticínios em geral.

Alimentos benéficos

Carnes: carneiro, cordeiro, coelho

Peixes: bacalhau, salmão, linguado, badejo, caviar, sardinha.

Laticínios: iogurte, muçarela, coalhada, leite, queijo, ovos, ricota.

Frutas: abacaxi, banana, mamão, uva, ameixa fresca.

Verduras: batata-doce, cenoura, berinjela, inhame, beterraba, brócolis, couve, repolho.

Cereais: arroz integral, aveia integral.

Outros: gengibre, salsa, açafrão, hortelã, pimenta, ginseng, gengibre, sálvia.

Alimentos neutros

Carnes: carne bovina, peru, vitela.

Peixes: arenque, truta, atum, lula.

Laticínios: leite de soja, queijo parmesão, queijo de soja, manteiga, requeijão, leite integral.

Frutas: morango, laranja, kiwi, passas, pera.

Verduras: abóbora, agrião, alface, acelga, aipo, cogumelo, espinafre.

Cereais: granola.

Outros: café, vinho branco, cerveja, chá preto, chá de amora, hortelã, camomila.

Alimentos nocivos

Carnes: frango, pato, porco, presunto.

Peixes: lagosta, camarão, anchova, caranguejo, polvo, ostra, polvo, mexilhão.

Laticínios: queijo fundido e roquefort, sorvete com leite.

Frutas: caqui, carambola, coco.

Verduras: alcachofra, azeitona, tomate, broto de feijão, milho verde.

Cereais: farinha de trigo, milho, centeio.

Outros: canela, maisena, pimenta branca, pimenta-do-reino, gelatina pura, refrigerante, bebidas destiladas.

SANGUE DO TIPO AB

As pessoas com sangue do tipo AB necessitam de uma dieta equilibrada contendo um pouco de tudo.

Alimentos benéficos

Carnes: carneiro, coelho, cordeiro e peru.

Peixes: atum, bacalhau, cavala, sardinha, garoupa, truta.

Laticínios: coalhada, iogurte, muçarela, ricota, queijo cottage.

Frutas: abacaxi, ameixa, cereja, figo, limão, kiwi, uva, framboesa.

Verduras: aipo, alho, beterraba, berinjela, brócolis, couve-flor, pepino.

Cereais: arroz, farinha de centeio, farinha de trigo, aveia.

Outros: curry, alho, missô, gengibre, camomila.

Alimentos neutros

Carnes: faisão, fígado.

Peixes: arenque, linguado, carpa.

Laticínios: leite e queijo de soja, leite desnatado, requeijão.

Frutas: ameixa seca, pera, passas, mamão, maçã, pêssego.

Verduras: broto de bambu, cebolinha, escarola, agrião, vagem.

Cereais: cevada, germe de trigo, granola.

Outros: açafrão, mel, açúcar, melaço, chocolate, vinho.

Alimentos nocivos

Carnes: bovina, frango, porco, presunto e vitela.

Peixes: anchova, camarão, caranguejo, lagosta, linguado, ostra, mexilhão, siri.

Laticínios: leite integral, creme de leite, queijo parmesão, brie, provolone, roquefort, manteiga.

Frutas: banana, caqui, goiaba, laranja, manga.

Verduras: alcachofra, milho verde, nabo, pimentão, rabanete.

Cereais: farinha de cevada, de milho, trigo-sarraceno, cereais matinais, amido de milho.

Outros: alcaparra, tapioca, vinagre, mel de milho, anis, maisena, malte de cevada, pimenta-do-reino e pimenta vermelha.

Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros. Ele não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Curapelanatureza

Continue lendo
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

SAÚDE

Quatro sinais de deficiência em vitamina D

Publicado

em

Fique atento.

A vitamina D, ou a vitamina ‘do sol’, é essencial para o bom funcionamento do corpo. Esta vitamina é obtida principalmente através da exposição ao sol, embora os suplementos dietéticos e certos alimentos também possam ser fontes do nutriente.

Assim, deve ficar atento a estes quatro sinais de deficiência em vitamina D:

    1. A vitamina D desempenha um papel na função imunológica. Um dos sintomas mais comuns da sua deficiência é um risco maior de doenças ou infecções.

    2. A fadiga e o cansaço excessivos podem ser um sinal de deficiência de vitamina D. Tomar suplementos pode ajudar a melhorar os níveis de energia.

    3. Níveis baixos de vitamina D no sangue podem ser uma causa ou um fator contribuinte para dores nos ossos e na região lombar.

    4. A depressão está associada a baixos níveis de vitamina D e alguns estudos descobriram que a suplementação melhora o humor.
  1.  
      POR NMBR

Continue lendo

SAÚDE

Infectologistas recomendam suspensão de bebida alcoólica 14 dias antes da vacinação

Publicado

em

O consumo de álcool e a vacina não combinam. Com a campanha de imunização contra a Covid-19 em andamento, os especialistas alertam para alguns cuidados que devem ser tomados antes e depois de receber a dose para não interferir na resposta imune contra o vírus. O consumo de bebidas alcoólicas precisa ser evitado para garantir a eficácia do imunizante.

O médico infectologista e diretor do Hospital Clementino Fraga, em João Pessoa, Fernando Chagas, explicou que a bebida alcoólica não é recomendável para quem vai se vacinar contra a Covid-19.

O médico explicou que o álcool atrapalha a ação do linfócito T, uma célula muito importante na ação contra o coronavírus. “É importante dar uma pausa de pelo menos 14 dias antes da vacina e até quatro semanas depois da segunda dose”, explica o infectologista.

Conforme observou Fernando Chagas  o álcool também reflete na diminuição da imunidade e na redução da criação de anticorpos, deixando o paciente exposto, mesmo vacinado. Ele esclarece quais são as recomendações para alguns outros grupos.

De acordo com Fernando Chagas, a quimioterapia atrapalha muito a imunidade do paciente, dependendo do tipo de medicamento e do tempo de tratamento. Quando estiver perto do período de vacinação, o médico sugere uma visita ao oncologista para tratar sobre a liberação para receber a primeira dose.

Uma pesquisa divulgada pelo Departamento de Ciência e Tecnologia do Conselho Filipino para Pesquisa e Desenvolvimento em Saúde, aponta que beber demais pode afetar a resposta do corpo e diminuir a eficácia das vacinas contra a covid-19 no indivíduo.
Além da diminuição do grau de eficácia, o consumo de álcool também pode tornar a duração da imunidade menor, o que pode fazer com que sejam necessárias doses de reforço após as duas primeiras.

Desde que as primeiras doses começaram a ser aplicadas no Brasil, existe uma ansiedade em torno da possibilidade da retomada do “antigo normal”. Mas, apesar dos imunizantes serem importantes aliados na luta contra a pandemia, os cuidados individuais também são indispensáveis.

Segundo os infectologistas, o sistema demora pelo menos 14 dias depois da vacina para começar a produzir anticorpos, e a pessoa só fica protegida de fato depois da segunda dose caso o imunizante não seja de dose única.

PB Agora

Continue lendo

Facebook

Publicidade

Copyright © 2020 Barra Portal - Todos os direitos reservados