Connect with us

BRASIL

Manifestantes pedem impeachment de Dilma em protesto na Esplanada

Publicado

em

Manifestantes contra o governo da presidente Dilma Rousseff ocuparam a Esplanada dos Ministérios, em Brasília, na manhã deste domingo (15) – data em que é celebrada a Proclamação da República. Eles pediram o impeachment da presidente, o fim da corrupção no Brasil e a intervenção militar.

O protestou começou às 8h. De acordo com a Polícia Militar, no início da manifestação, 500 pessoas participavam do ato. Às 11h, a polícia estimava a participação de 2 mil pessoas. Um manifestante foi preso durante o ato por uso e porte de maconha, informou a corporação. Ele foi encaminhado à 5ª Delegacia de Polícia, na Asa Norte.

Durante a manifestação, policiais fizeram barreiras pra revistar mochilas, bolsas e bolsos dos manifestantes. Além do Eixão, as vias S1 e N1 ficaram fechadas na altura da Rodoviária do Plano Piloto. O trânsito de veículos estava autorizado na N2 e na S2.

Manifestantes ocuparam o gramado que fica em frente ao Congresso Nacional, na Esplanada dos Ministérios (Foto: Jéssica Nascimento/G1)Manifestantes ocuparam o gramado em frente ao Congresso Nacional, na Esplanada dos Ministérios (Foto: Jéssica Nascimento/G1)

Vestidos de verde amarelo, os manifestantes levaram cartazes e faixas, além de um boneco do ex-presidente Lula vestido de presidiário sendo enforcado e caixões simulando um enterro da presidente Dilma e de Lula.

Manifestantes colocaram caixões simulando um enterro da presidente Dilma e do ex-presidente Lula em frente ao Congresso Nacional (Foto: Jéssica Nascimento/G1)Manifestantes colocaram caixões simulando um enterro da presidente Dilma e do ex-presidente Lula em frente ao Congresso Nacional (Foto: Jéssica Nascimento/G1)

O técnico em informática José Carlos Pereira, de 50 anos, disse que foi protestar pelo quarto ano contra a corrupção. Ele pede a retirada do PT do poder. “O DF precisa de segurança e educação. Um estudante do Ensino Médio não conseguem resolver uma tabuada. A saúde é precária e não existe. É melhor procurar o IML [Insitituto Médico Legal] do que um hospital público”, reclamou.

A empresária Tainá de Fátima da Silva, de 20 anos, levou os dois cachorros da raça shitszu para protestar contra a presidente Dilma. “Tem que melhorar tudo. Não votei nela e não conheço ninguém que votou. Com certeza essa eleição foi duvidosa. No nosso país só tem políticos ladrões e eles devem ser retirados imediatamente do poder”, afirmou.

Tainá de Fátima da Silva  levou os dois cachorros da raça shitszu para protestar contra a presidente Dilma (Foto: Jéssica Nascimento/G1 )Tainá levou os dois cachorros para protestar contra a presidente Dilma (Foto: Jéssica Nascimento/G1 )

Vestido de Batman, Eron Morais, de 34 anos, disse que viajou do Rio de Janeiro a Brasília para pedir melhorias para o Brasil. Ele disse que terá de chamar “a Liga da Justiça para dar um jeito no país”.

“Desde 2013 me visto de Batman e vou nas manifestações. Não queria ser mais um na multidão. Queria ser ouvido, entende? Do jeito que o Brasil está, terei que acionar todos os super heróis para limpar a presidência e a Câmara dos Deputados”, brincou.

Manifestante vestido de Batman disse que terá de chamar a Liga da Justiça "para dar um jeito no país". (Foto: Jéssica Nascimento/G1)Vestido de Batman, manifestante disse que terá de chamar a Liga da Justiça “para dar um jeito no país” (Foto: Jéssica Nascimento/G1)

Uma mulher que não quis se identificar chegou a chorar, no meio da manifestação, depois de ser impedida por policiais, segundo ela, de entrar no prédio do Congresso Nacional.

Spray de pimenta
Por volta das 13h, manifestantes invadiram o espelho d’água do Congresso Nacional e foram seguidos pela polícia.

Em seguida, policiais usaram spray de pimenta para evitar que mais pessoas furassem o bloqueio policial e se aproximassem do prédio do Congresso pelo espelho d’água.

Polícia Militar usa spray de pimenta para conter manifestantes que tentaram invadir o espelho d'água do Congresso Nacional (Foto: Jéssica Nascimento / G1)Polícia usa spray de pimenta para conter manifestantes que tentaram invadir o espelho d’água do Congresso Nacional (Foto: Jéssica Nascimento/G1)

Acampamento
Segundo organizadores, cerca de mil pessoas estão acampadas em frente ao Congresso Nacional. O representante do movimento “Resistente Popular”, Mauricio Gabare, diz que o grupo ocupará o espaço por tempo indeterminado. Segundo o homem, eles querem um Natal sem a presidente Dilma.

“Cerca de 93% dos brasileiros rejeitam o governo do PT. O partido fez com que os brasileiros tivessem vergonha do país, que está um caos. Cada dinheiro desviado pela corrupção tira uma porcentagem da educação, segurança e saúde no país. Infelizmente, chegamos ao fim do poço”, afirmou.

No gramado em frente ao Congresso Nacional, há um acampamento de manifestantes (Foto: Jéssica Nascimento/G1)No gramado em frente ao Congresso Nacional, há um acampamento de manifestantes (Foto: Jéssica Nascimento/G1)
Barraca em frente ao Congresso Nacional tem mensagem contra a presidente Dilma (Foto: Jéssica Nascimento/G1)Barraca em frente ao Congresso Nacional tem mensagem contra a presidente Dilma (Foto: Jéssica Nascimento/G1)

Carro de som
Responsável pelo som do trio elétrico usado durante o protesto, o operador Marcos Feitosa disse não ter opinião formada sobre o impeachment da presidente. “Nem sempre o que acontece é por causa de uma só pessoa. Mesmo assim, acho que o pessoal tem direito de ir atrás do que querem”, afirmou o jovem de 19 anos.

 O operador de som Marcos Feitosa disse não ter opinião formada sobre o impeachment da presidente. (Foto: Gabriel Luiz/G1) O operador de som Marcos Feitosa disse não ter opinião formada sobre o impeachment da presidente (Foto: Gabriel Luiz/G1)

General
Um grupo inflou um boneco do general Antonio Hamilton Martins Mourão, que era comandante das tropas do Exército na Região Sul do país.

Ele foi exonerado da função de comando da tropa, depois de defender o “despertar para a luta patriótica”, e assumiu um cargo mais burocrático, na Secretaria de Economia e Finanças do Exército.

Boneco do General Mourão inflado na Esplanada dos Ministérios (Foto: Jéssica Nascimento/G1)Boneco do General Mourão inflado na Esplanada dos Ministérios (Foto: Jéssica Nascimento/G1)

Radicado no Brasil há 13 anos, o padre polonês Pedro Stepien participou da manifestação com uma bandeira contra o aborto e disse que não pode pedir o impeachment da presidente Dilma Rousseff por ser estrangeiro, mas afirmou “entender” quem o faz. “Não posso me calar quando o povo vem bater na minha porta enquanto a presidente rouba e leva para o exterior.”

O padre polonês Pedro Stepien participou da manifestação com uma bandeira contra o aborto (Foto: Gabriel Luiz/G1)O padre Pedro Stepien participou da manifestação com uma bandeira contra o aborto (Foto: Gabriel Luiz/G1)
 
G1

Continue lendo
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

BRASIL

Sem opção: depois de arroz, óleo e carne, preço da batata dispara 33%

Publicado

em

Depois de ver o preço do arroz, do óleo e da carne dispararem, o brasileiro agora faz as contas na hora de comprar batata. O preço do tubérculo disparou 33,37% entre outubro e novembro, segundo a prévia da inflação oficial do país medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O indicador, IPCA-15, foi divulgado nesta terça-feira (24).

O pior é que esse reajuste não veio sozinho. Todos aqueles itens que já vinham aumentando continuaram na escalada de preços entre meados do mês passado e deste. O óleo de soja para fazer a batata frita subiu 14,85%, a carne para o bife aumentou 4,89% e o arroz continuou sua escalada, com reajuste de 8,29%.

A Associação Paulista de Supermercados (Apas) já tinha detectado essas variações nos preços dos varejistas do estado de São Paulo. O levantamento divulgado na quinta-feira (19) pela entidade mostrava aumento em outubro de 22,5% na batata, 16,4% no óleo de soja e 5,38% na carne. Segundo a associação, entre os cortes que registraram inflações estão a picanha (11,16%), patinho (8,67%) e contrafilé (7,16%).

Razões climáticas

Segundo análise do Cepea-USP (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), o final da safra de inverno da batata e uma quebra de produção na região Sul diminuíram a oferta do produto e influenciaram na alta dos preços.

De acordo com os analistas do centro, a quebra no Sul se deveu ao baixo volume de chuva registrado durante as fases de plantio e desenvolvimento da cultura. A expectativa é que o volume comece a aumentar nas próximas semanas. Se isso se confirmar, o preço deve cair.

Puxado pelo grupo de alimentos e bebidas, o IPCA-15 marcou 0,81% em novembro, o maior número para o mês desde 2015.

Para elaborar o indicador deste mês, os preços foram coletados entre 14 de outubro e 12 de novembro e comparados aos valores pesquisados entre 12 de setembro a 13 de outubro.

Revista Fórum

Continue lendo

BRASIL

Polícia prende funcionária do Carrefour, terceira envolvida na morte de João Alberto

Publicado

em

A Polícia Civil prendeu nesta terça-feira (24) a funcionária do Carrefour Adriana Alves Dutra por suspeita de envolvimento na morte de João Alberto Freitas. A agente de fiscalização do supermercado aparece nos vídeos que foram gravados por testemunhas, andando ao redor da vítima, e parece dar ordens por meio de um rádio. Ao ver que está sendo filmada, ela tenta impedir e discute com pessoas. 

Beto, como era conhecido, era negro e foi espancado até a morte por dois seguranças em unidade do Carrefour em Porto Alegre, no dia 19 de novembro.

Segundo a Polícia Civil, Adriana tem uma atuação determinante na morte de João Alberto por estar no comando dos dois seguranças que o espancaram, Giovane Gaspar e Magno Borges, que já estão presos.

Em coluna no 247, o jornalista Marcelo Auler havia cobrado a responsabilização de mais pessoas na morte de João Alberto. “É o caso de Adriana Alves Dutra, agente de fiscalização do supermercado, que aparece na cena do crime filmando toda a agressão sem nada fazer para impedi-la”, escreveu.

A morte de Beto Freitas estimulou diversos protestos contra o racismo e violência contra pessoas negras pelo Brasil. Um dos principais focos de revolta foi o Carrefour, que tem um histórico de envolvimento em casos de racismo.

Brasil 247

Continue lendo

Facebook

Publicidade

Copyright © 2020 Barra Portal - Todos os direitos reservados