Connect with us

POLÍTICA

O fim de uma era?

Publicado

em

por Débora Bergamasco

O sempre discreto e comedido ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki, relator da Lava Jato na corte, desabafou em uma roda de amigos: “O PT e o PMDB vão acabar”. A conversa aconteceu durante um almoço em Porto Alegre, neste mês. Entre uma taça e outra de vinho, ele demonstrava seu espanto com a magnitude, a profundidade e o número de pessoas envolvidas nos casos de corrupção apurados por esta investigação. Diante do que ele já sabe, acha que não sobrará pedra sobre pedra.

CONF-01.jpg

Chocados
Petistas e membros do judiciário ficaram perplexos quando Edson Fachin, do STF, relator do processo que definiu o rito de impeachment presidencial, leu seu voto. Especialmente ao decidir manter secreta a votação que define a constituição da comissão da Câmara dos Deputados que analisa o pedido de afastamento de Dilma.

Dois pesos 
Embora muitos acreditem se tratar de casos diferentes, havia a expectativa de que Fachin repetisse agora seu posicionamento de dias atrás, quando definiu que a votação sobre a prisão do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) no Senado deveria ser aberta.

Na hora H… 
Mas o motivo maior da perplexidade foi porque Edson Fachin, novato na Corte, disse a interlocutores que sua decisão seria pró-governo. Lembrou-se do caso de Luiz Fux, ao supostamente prometer a petistas que “mataria no peito” o caso mensalão.

Charge_WHATZAP_Congresso.jpg

Enrolomêtro
Cientes de que o governo não aprova mais nada no Congresso este ano, o Planalto empurrou para as calendas os pedidos dos aliados por cargos. Escalaram para a função de travar o processo o ex-deputado Orlando Desconsi, chefe de gabinete de Ricardo Berzoini.

Paranoia no ar
O senador Álvaro Dias começou a ouvir barulhos estranhos em seu gabinete. Nesta semana, pediu para a Polícia Legislativa fazer uma varredura para tentar detectar a presença de grampos. O medo, brincou ele, era alguém aproveitar a visita para instalar um.

Senador pelos ares
Com permanência no Brasil garantida pelo Ministério da Justiça, o senador boliviano Pinto Molina fez curso para ser piloto de helicóptero, profissão que escolheu para exercer no Brasil. Só falta agora a ANAC conceder o documento para que possa pilotar e garantir uma fonte de renda para viver por aqui.

Pelos ares 2
O processo esbarra na falta de documentação que comprove a escolaridade do senador boliviano. As comprovações estão na Bolívia, de onde ele fugiu para não ser morto pelo governo. Ele busca ajuda para que alguém possa localizar e lhe enviar a papelada.

Você economiza…
Até o dia 31 de outubro deste ano, a dívida pública interna e externa do Brasil custou ao contribuinte R$ 939 bilhões. Com amortização e refinanciamento foram gastos R$ 630 bilhões. E só com os juros e correção monetária, R$ 308 bilhões – em 2010, este valor foi de R$ 179 bi. Apenas como comparação, a estimativa de toda arrecadação da União para 2015 é de R$ 2,9 trilhões. Ou seja, o gasto com a dívida pode ultrapassar um terço do que espera amealhar neste ano. Os dados foram compilados pelo Ministério da Fazenda, em resposta a um requerimento de informação feito pelo senador Álvaro Dias (PSDB-PR).

… e o governo gasta
O total da dívida interna do Brasil, até o dia 31 de outubro, chegou a R$ 3,7 trilhões. Sendo R$ 2,5 trilhões referentes ao endividamento junto ao mercado. E R$ 1,2 trilhão na carteira do Banco Central. A externa é bem menor: R$ 142 bilhões. Analistas avaliam que o dispêndio não se reverteu em investimentos. Gastou-se demais e construiu-se de menos.

Toma lá dá cá

SÉRGIO REIS, CANTOR E DEPUTADO FEDERAL (PRB-SP)

CONF-03.jpg

ISTOÉ – Aos 75 anos, qual é a avaliação que o sr. faz do seu primeiro ano de mandato como deputado federal?
Reis –
Na minha idade não me surpreendo com mais nada. Mas já passei pela época da ditadura militar, já vi o impeachment do Collor mas, desde que me conheço por gente, nunca vi o país em situação pior do que a de hoje. E agora vejo isso de dentro do poder, como “infiltrado” aqui. Mas agora querem dizer que (o impeachment) é golpe. Golpe foi o que fizeram com o país.

ISTOÉ – Qual é o maior defeito na Câmara dos Deputados?
Reis –
Aqui se fala demais e se age pouco. E tem também o fanatismo político. O petista é xiita. Não todos, mas muitos.

Rápidas
* Parlamentares juram que o deputado André Moura (PSC-SE) tem a cópia de uma gravação em que Jaques Wagner (Casa Civil) tentava acordo com Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, para que ele não acatasse pedido de impeachment.

* O deputado Lucio Vieira Lima (PMDB-BA), um dos parlamentares mais gaiatos da Câmara, encontrou André Moura e propôs: “Vamos forjar um assalto na sua casa. Fazemos um B.O. e assim você pode vazar logo essa gravação”. Caíram na risada.

Michel Temer anda de bom humor. Ri quando lhe perguntam se assumir o Brasil “é crime ou castigo?”. Também achou graça dos memes sobre sua carta-desabafo à Dilma. O favorito foi virar enfeite de árvore de Natal, como “vice decorativo”.

Com o desespero de grávidas por causa do zika vírus e a ameaça de microcefalia nos bebês, a operadora de saúde Geap acaba de liberar gestantes de cumprir carência, que chegava a 300 dias. A regra vale para recentes e novas adesões.

Retrato falado
O advogado criminalista Antônio Figueiredo Basto, que assumiu recentemente o caso do senador Delcídio do Amaral (PT-MS), recebeu com serenidade a decisão do ministro Teori Zavascki para manter seu cliente preso. Mas estuda pedir habeas corpus durante o recesso do judiciário, que começa na semana que vem. O pedido para que ele fosse solto foi realizado pelo advogado Maurício Leite, que acompanha o caso há mais tempo. “Vamos estudar a decisão do Supremo”, disse Basto.

CONF-02.jpg

Companhia indesejada
Na semana passada, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, foi a Curitiba. Assim que a porta da aeronave se abriu, ele parou em frente à escada, mas empacou. Avistou no solo o agente Newton Ishii, o “japonês bonzinho” da PF, que o esperava para fazer sua escolta. Rindo, Cardozo soltou: “Voltem todos que aqui eu não desço.” A gargalhada foi geral.

CONF-04.jpg

Dama de companhia
Por falar no japonês, ele foi alçado à fama, com direito a marchinha e máscaras de carnaval. Isso está incomodando parte da cúpula da Polícia Federal. Newton colhe os louros de um trabalho realizado com discrição pelos profissionais do setor de inteligência. Cabe ao agente apenas receber os presos.

Fotos: Zanone Fraissat/Folhapress; GIULIANO GOMES/ESTADÃO CONTEÚDO

Época

Continue lendo
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

POLÍTICA

‘Tá ficando impossível o povo comer’, diz Lula em entrevista a Luis Nassif

Publicado

em

São Paulo – Em entrevista ao jornalista Luis Nassif, do site GGN, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva atacou duramente a política econômica do governo de Jair Bolsonaro. “Tá ficando impossível do povo comer. Tá tudo caro. E ninguém fala disso. O governo não tá nem um pouco preocupado com isso”, disse.

Lula também comentou a situação do emprego no país – “Massa salarial menor, PIB menor, desemprego” – e a venda de empresas estatais ao capital privado – “Esse governo vendendo todo nosso patrimônio, que é a única coisa que eles sabem fazer”. “No meu governo vendíamos 4 milhões de carros por ano. Hoje vendemos só 2 milhões. Ou seja, metade do que vendíamos há 13 anos ”, comparou.

Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, a taxa de desemprego no Brasil fechou 2020 com média de 13,5%, a maior da série histórica do IBGE, iniciada em 2012. O estudo registrou 13,415 milhões de desempregados, 840 mil a mais do que em 2019.

“Hoje um entregador trabalha com sua moto de domingo a domingo pra ganhar um salário mínimo e não ter sequer um direito trabalhista. Não tem férias, não tem décimo-terceiro, não tem um seguro. Foi pra isso que eles deram o golpe”, afirmou o ex-presidente.

O petista atacou também duramente o principal procurador da força-tarefa da Operação Lava Jato. “Vocês sabiam que o canalha do Dallagnol nunca teve nem coragem de ir a uma audiência minha?”, disse. Ele falou do apoio da TV Globo à chamada “República de Curitiba”, comandada pelo ex-juiz Sergio Moro. “Imagine o Bonner abrindo o Jornal Nacional e falando: ‘Boa noite. Queríamos pedir desculpa por ter acreditado nas mentiras da Lava Jato contra o Lula’. Isso jamais vai acontecer. Porque pra pedir desculpa tem que ter grandeza. Daqui a 50 anos eles fazem”, ironizou.

O ex-presidente comentou também a política externa do governo e de seu ministro Ernesto Araújo, que isolou o Brasil no mundo, segundo o ex-chanceler Celso Amorim. “Tenho certeza de que na hora em que o Brasil tiver um presidente civilizado e um ministro de Relações Exteriores civilizado, o Brasil vai recuperar seu espaço no mundo” disse Lula.

RBA

Continue lendo

POLÍTICA

“PEC Emergencial”: relator recua e retira desvinculação da saúde e educação

Publicado

em

São Paulo – A desvinculação do piso mínimo constitucional de investimentos para a saúde e a educação, que está incluída na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 186, conhecida como PEC Emergencial, deve cair. Nesta sexta-feira (26), ao canal CNN, o relator do projeto no Senado, Márcio Bittar (MDB-AC), admitiu que vai retirar de seu parecer o artigo que abre a possibilidade de cortes nas áreas de serviços essenciais.

De acordo com ele, a decisão se deu após perceber que a maioria dos senadores é contrária à medida. “O que hoje no plenário deu para perceber é que o Senado praticamente enterrou, mostrou que é contra a desvinculação e que é contra até o debate. Se eu mantivesse a desvinculação, poderia comprometer todo o processo”, disse à CNN.

A notícia foi festejada pela oposição, por meio das redes sociais. A deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) chamou o recuo de “vitória”. “O texto precisa melhorar muito ainda, garantindo o auxílio emergencial no valor original! Vamos à luta que esse tema, sim, é urgente”, tuitou.

A também deputada Fernanda Melchionna (Psol-RS) disse que a pressão popular surtiu efeito. Ontem (25), a hastag #AuxilioSimDesmonteNao esteve entre as mais comentadas do Twitter. “Está cada vez mais difícil a manutenção da desvinculação dos recursos da saúde e da educação na PEC 186. Isso é resultado da pressão que deve seguir para garantir o auxílio emergencial sem chantagem mentirosa das elites”, disse ela.

Cortes criminosos

A ideia da proposta de possibilitar a migração de recursos da saúde e educação para outras áreas foi incluída na PEC 186. A contrapartida ao retorno do auxílio emergencial foi uma imposição do ministro da Economia, Paulo Guedes, cuja ação foi classificada como “chantagem” para retirar mais direitos da população.

Em entrevista à Rádio Brasil Atual, nesta sexta-feira, o médico sanitarista Arthur Chioro, ex-ministro da Saúde, afirma que os possíveis cortes representariam um grande desmonte na saúde. “A PEC do teto de gastos já proporcionou uma perda de R$ 21 bilhões para o Sistema Único da Saúde (SUS) nos últimos três anos. Ao congelar os recursos da saúde para 2021, em plena pandemia, o Ministério da Saúde perdeu mais R$ 37 bilhões. Objetivamente, a lógica da desvinculação é para ampliar o espaço de privatização e destruir a rede de proteção social”, disse à jornalista Marilu Cabañas.

Para o coordenador da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara, a desvinculação da PEC Emergencial resultaria em R$ 90 bilhões de perda para a educação. “O argumento dos parlamentares apoiadores do Bolsonaro é para empurrar o programa Future-se, com essa PEC, o que privatizaria a educação superior brasileira”, criticou.

 

Fonte: Rede Brasil Atual

Continue lendo

Facebook

Publicidade

Copyright © 2020 Barra Portal - Todos os direitos reservados