Connect with us

MUNDO

Oito pessoas têm a mesma riqueza que os 50% mais pobres, diz Oxfam

Publicado

em

Oito empresários, todos eles do sexo masculino, acumulam a mesma riqueza que a metade mais pobre da população mundial, ou seja, 3,6 bilhões de pessoas, disse neste domingo (15) a Oxfam, por ocasião da realização esta semana do Fórum Econômico Mundial de Davos, que reúne a elite política e empresarial.

Os oito bilionários são:

  • Bill Gates, da Microsoft;
  • Amancio Ortega, da Inditex (dono da Zara);
  • Warren Buffett, maior acionista da Berkshire Hathaway;
  • Carlos Slim, proprietário do Grupo Carso;
  • Jeff Bezos, da Amazon;
  • Mark Zuckerberg, do Facebook;
  • Larry Ellison, da Oracle;
  • Michael Bloomberg, da agência de informação de economia e finanças Bloomberg.

A Ofxam publicou um relatório, intitulado “Uma economia para 99%”, mostrando que os novos dados disponíveis, sobretudo da China e da Índia, permitem afirmar que “a lacuna entre ricos e pobres é muito maior do que se temia”.

A diretora-executiva da Oxfam Internacional, Winnie Byanyima, afirmou em comunicado que, “quando uma de cada dez pessoas no mundo sobrevive com menos de US$ 2 por dia, a imensa riqueza que acumulam apenas alguns poucos é obscena”.

Acrescentou que muitos salários “se estagnam enquanto as remunerações dos presidentes e altos diretores de grandes empresas disparam, corta-se investimento em serviços básicos como saúde e educação enquanto grandes corporações e grandes fortunas conseguem reduzir ao mínimo sua contribuição fiscal”.

‘Trilionário’

De acordo com a organização, o ritmo no qual os mais ricos acumulam cada vez mais riqueza poderia dar lugar ao primeiro “trilionário” do mundo em apenas 25 anos.

“Com essa concentração de riqueza, esta pessoa necessitaria esbanjar um milhão de dólares por dia durante 2.738 anos para gastar toda sua fortuna”, segundo a Oxfam.

Frente a isso, sete em cada dez pessoas vive em um país no qual a desigualdade aumentou nos últimos 30 anos, afirmou.

Entre 1988 e 2011, a renda dos 10% mais pobres da população mundial aumentou na média só US$ 3 por ano, enquanto a do 1% mais rico cresceu 182 vezes mais, a um ritmo de US$ 11.800 por ano.

Desigualdade entre mulheres e homens

As mulheres sofrem maiores níveis de discriminação no âmbito do trabalho e assumem a maior parte das funções não remuneradas.

Segundo a Oxfam, ao ritmo atual, levará 170 anos para se conseguir a igualdade salarial entre homens e mulheres.

A organização propõe que os governos aumentem os impostos tanto das grandes fortunas como das rendas mais altas, que cooperem para garantir que os trabalhadores recebam um salário digno e que freiem a evasão e as artimanhas fiscais para reduzir ao mínimo o imposto de sociedades.

Além disso, recomenda que os governos apoiem as empresas que operam em benefício de seus trabalhadores e da sociedade e não só no interesse dos acionistas e que assegurem que as economias sirvam de maneira equitativa a mulheres e homens.

 

 UOL

Continue lendo
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

MUNDO

Vacina da Pfizer é 90% eficaz contra covid-19 e pode ficar pronta em 2020

Publicado

em

A farmacêutica americana Pfizer divulgou nesta segunda-feira, 9, novos resultados da última fase de testes de sua vacina contra o novo coronavírus, desenvolvida em parceria com a alemã BioNTech. Segundo a companhia, a vacina experimental se mostrou mais do que 90% eficaz em participantes que não tiveram infecções pela covid-19 depois de uma semana da administração da segunda dose necessária da imunização.

A análise da farmacêutica avaliou que 94 dos 43.538 voluntários que participam dos testes foram infectados pela doença. São necessários 164 casos confirmados para caracterizar a vacina como totalmente funcional.

A expectativa da Pfizer é pedir uma aprovação emergencial ao Food and Drug Administration (o FDA, espécie de Anvisa americana) na terceira semana deste mês.

 

Recentemente foi divulgado, segundo os executivos da companhia, que é possível que a imunização fique disponível até o final de 2020. Para o presidente da companhia, Albert Bourla, a Pfizer poderá fornecer cerca de 40 milhões de doses nos Estados Unidos se os testes clínicos em fase 3 continuarem “conforme o esperado” e se os órgãos reguladores aprovarem o uso emergencial dela.

“Hoje é um bom dia para a ciência e para a humanidade. Os primeiros resultados da nossa fase três de testes da vacina da covid-19 têm evidências iniciais da habilidade da vacina de proteger contra o vírus. Estamos atingindo um marco crítico em nosso programa de desenvolvimento quando o mundo precisa mais de uma imunização, com os números de infecções aumentando, hospitais chegando perto de sua capacidade máxima, e economias tendo dificuldades na reabertura”, afirmou Bourla em um comunicado divulgado pela empresa.

Mais dados sobre a eficácia da vacina devem ser compartilhados em breve. Essa é a primeira análise preliminar de fase três divulgada pela Pfizer.

Como estamos?

Das 47 em fases de testes, apenas 10 estão na fase 3, a última antes de uma possível aprovação. São elas a chinesa da Sinovac Biotech, a também chinesa da Sinopharm, a britânica de Oxford em parceria com a AstraZeneca, a americana da Moderna, da Pfizer e BioNTech, a russa do Instituto Gamaleya, a chinesa CanSino, a americana Janssen Pharmaceutical Companies e a também americana Novavax.

 

Quem terá prioridade para tomar a vacina?

Nenhuma vacina contra a covid-19 foi aprovada ainda, mas os países estão correndo para entender melhor qual será a ordem de prioridade para a população uma vez que a proteção chegar ao mercado. Um grupo de especialistas nos Estados Unidos, por exemplo, divulgou em setembro uma lista de recomendações que podem dar uma luz a como deve acontecer a campanha de vacinação.

Segundo o relatório dos especialistas americanos (ainda em rascunho), na primeira fase deverão ser vacinados profissionais de alto risco na área da saúde, socorristas, depois pessoas de todas as idades com problemas prévios de saúde e condições que as coloquem em alto risco e idosos que morem em locais lotados.

Na segunda fase, a vacinação deve ocorrer em trabalhadores essenciais com alto risco de exposição à doença, professores e demais profissionais da área de educação, pessoas com doenças prévias de risco médio, adultos mais velhos não inclusos na primeira fase, pessoas em situação de rua que passam as noites em abrigos, indivíduos em prisões e profissionais que atuam nas áreas.

A terceira fase deve ter como foco jovens, crianças e trabalhadores essenciais que não foram incluídos nas duas primeiras. É somente na quarta e última fase que toda a população será vacinada.

Quão eficaz uma vacina precisa ser?

Segundo uma pesquisa publicada no jornal científico American Journal of Preventive Medicine uma vacina precisa ter 80% de eficácia para colocar um ponto final à pandemia. Para evitar que outras aconteçam, a prevenção precisa ser 70% eficaz.

Uma vacina com uma taxa de eficácia menor, de 60% a 80% pode, inclusive, reduzir a necessidade por outras medidas para evitar a transmissão do vírus, como o distanciamento social. Mas não é tão simples assim.

Isso porque a eficácia de uma vacina é diretamente proporcional à quantidade de pessoas que a tomam, ou seja, se 75% da população for vacinada, a proteção precisa ser 70% capaz de prevenir uma infecção para evitar futuras pandemias e 80% eficaz para acabar com o surto de uma doença.

As perspectivas mudam se apenas 60% das pessoas receberem a vacinação, e a eficácia precisa ser de 100% para conseguir acabar com uma pandemia que já estiver acontecendo — como a da covid-19.

Isso indica que a vida pode não voltar ao “normal” assim que, finalmente, uma vacina passar por todas as fases de testes clínicos e for aprovada e pode demorar até que 75% da população mundial esteja vacinada.

Exame

Continue lendo

MUNDO

Mais de 400 líderes de todo o mundo pedem que STF anule sentenças contra Lula

Publicado

em

Cerca de 400 lideranças políticas de entidades, associações e universidades de países da América Latina, África e Europa assinam um manifesto pedindo ao STF (Supremo Tribunal Federal) a anulação das sentenças dadas ao ex-presidente Lula.

O documento afirma que a conduta do ex-juiz Sergio Moro e da força-tarefa da Lava Jato no Ministério Público deixam claro a “existência de conluio”, e que o petista teve negado o seu direito a um julgamento imparcial.

Documento que será entregue nesta terça-feira (10), ao ministro Gilmar Mendes pedindo a anulação das sentenças contra o ex-presidente Lula afirma que a conduta do ex-juiz Sergio Moro e da força-tarefa da Lava Jato no Ministério Público deixam claro a “existência de conluio”, e que o líder petista teve negado o seu direito a um julgamento imparcial.;

A iniciativa marca ano desde a soltura de Lula após 580 dias encarcerado na sede da Superintendência da Polícia Federal do Paraná, em Curitiba, informa a jornalista Mônica Bergamo em sua coluna na Folha de S.Paulo.

Brasil 247

 

Continue lendo

Facebook

Publicidade

MAIS LIDAS DE HOJE

Copyright © 2020 Barra Portal - Todos os direitos reservados