Connect with us

BRASIL

PF prende policiais legislativos suspeitos de atrapalhar investigações

Publicado

em

A Polícia Federal prendeu, na manhã desta sexta-feira (21), quatro policiais legislativos suspeitos de prestar serviço de contrainteligência para ajudar senadores investigados na Lava Jato e em outras operações. A suspeita é que esses policiais faziam varreduras nas casas dos políticos para, por exemplo, identificar e eliminar escutas instaladas com autorização judicial.

A operação se baseou no depoimento de um policial legislativo. Ele relatou ao Ministério Público Federal que o chefe da polícia do Senado teria realizado medidas de contrainteligência nos gabinetes e residências dos senadores Fernando Collor de Mello (PTC-AL), Edison Lobão (PMDB-MA) e do ex-senador José Sarney (PMDB-AP), que foi presidente do Senado.

O advogado de Sarney e Lobão, Antônio Carlos de Almeida Castro, afirmou que não houve nenhuma irregularidade cometida pelos políticos (veja abaixo as respostas completas das defesas). Ele disse que Sarney está “perplexo” e que não solicitou nenhuma varredura à polícia legislativa.

Almeida Castro disse ainda que Lobão fez um pedido “justificável” para a polícia legislativa fazer uma varredura na casa dele à época da divulgação de gravações feitas pelo ex-diretor da Transpetro Sérgio Machado, meses atrás. O advogado informou que houve uma varredura no gabinete “por motivos de segurança” quando Lobão, que era ministro, estava licenciado do mandato e o seu filho, Lobão Filho, ocupava o mandato.

Em nota divulgada no Facebook, a assessoria de Collor negou que ele tenha se beneficiado irregularmente de qualquer serviço da polícia legislativa.

A operação desta sexta foi batizada de Métis, em referência a à Deusa da proteção, com a capacidade de antever acontecimentos.

Crimes investigados
A prisão dos quatro policiais suspeitos é a temporária, com prazo definido para terminar. Um dos presos é Pedro Ricardo Araújo Carvalho, chefe da polícia legislativa. Os outros três são: Geraldo Cesar de Deus Oliveira, Everton Taborda e Antonio Tavares.

Foram expedidos ainda cinco mandados de busca e apreensão e quatro de afastamento de função pública. Os policiais legislativos são servidores do Congresso que atuam na segurança no prédio.

“Foram obtidas provas de que o grupo, liderado pelo diretor da Polícia do Senado, tinha a finalidade de criar embaraços às ações investigativas da Polícia Federal em face de senadores e ex-senadores, utilizando-se de equipamentos de inteligência”, afirmou a Polícia Federal em nota sobre a operação.

Segundo a polícia federal, os policiais legislativos investigados são suspeitos de terem cometido os crimes de associação criminosa armada, corrupção privilegiada e embaraço à investigação de infração penal que envolva organização criminosa. Somadas, as penas podem chegar a 14 anos e seis meses de prisão, além de multa.

De acordo com o Ministério Público Federal, que atuou em parceira com a PF nesta sexta, não há mandados contra políticos nem foram realizadas buscas em gabinetes de parlamentares no Congresso.

Os mandados da operação desta sexta foram autorizados pela Justiça Federal do DF, a pedido da Polícia Federal. O Ministério Público Federal avalizou a operação.

Entrada do espaço onde fica lotada a Polícia Senado, no Congresso Nacional (Foto: Elielton Lopes/G1)Entrada do espaço onde fica lotada a Polícia Senado, no Congresso Nacional (Foto: Elielton Lopes/G1)

Versões das defesas
O advogado de Sarney, Antônio Carlos de Almeida Castro, afirmou que senador está “atônito, mas tranquilo” com a operação.

“Ele [Sarney] já não usa os serviços da Polícia Legislativa do Senado há muito tempo porque ele não é mais senador. E ele não fez nenhum pedido, a quem quer que seja, para fazer varredura na casa dele. A Polícia Legislativa certamente não fez nenhuma varredura na casa dele nem quando ele era senador. Então a hipótese está descartada”, afirmou o advogado.

Almeida Castro, que também faz a defesa de Lobão, afirmou que o senador pediu varreduras para se precaver contra escutas ilegais. “O senador Lobão fez um pedido [à Polícia Legislativa] de uma varredura na casa dele recentemente, mas é plenamente justificável. Na época, havia pessoas como Sérgio Machado, que faz escutas ilegais. Então foi feita uma varredura, mas não foi encontrado nada. Não se pode falar em obstrução. Se tivesse sido encontrado, evidentemente, seria formalmente comunicado [à Justiça]”, declarou Kakay.

Na nota divulgada no Facebook, a assessoria de Collor disse que “o senador Fernando Collor não tem conhecimento acerca dos fatos narrados na manhã de hoje e nega que tenha se beneficiado de qualquer ação da Polícia Legislativa do Senado Federal que seja estranha às suas funções institucionais”.

Histórico
A polícia legislativa já esteve no centro de uma polêmica com a Polícia Federal por causa da Operação Lava Jato. Em julho de 2015, policiais do Senado tentaram impedir o cumprimento de um mandado de busca e apreensão no apartamento funcional do senador Fernando Collor (PTC-AL).

Na ocasião, a Polícia Legislativa do Senado e a Advocacia-Geral do Senado disseram que a PF havia descumprido resolução da Casa ao entrar em um apartamento funcional de senador.

Na nota em que explica a operação desta sexta, a PF afirma que, em um dos eventos que evidenciaram a ação da polícia legislativa para “embaraçar” as investigações, o “diretor da Polícia do Senado ordenou a prática de atos de intimidação à Polícia Federal, no cumprimento de mandado expedido pelo Supremo Tribunal Federal em apartamento funcional de senador”.

G1

Continue lendo
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

BRASIL

12 empresas gigantes se unem na luta contra racismo no Brasil

Publicado

em

Quatro dias após a morte de João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, empresas gigantes – que juntas empregam 235 mil brasileiros – se uniram na luta contra o racismo no Brasil.

Elas assinaram nesta segunda, 23, um manifesto/compromisso público de equidade racial, de combate ao racismo estrutural e cobraram medidas efetivas do Carrefour, da qual são fornecedoras.

A BRF, Coca-Cola, PepsiCo, Danone, General Mills, Heineken, JBS, Kellogg, L’Oréal, Mars, Mondeléz International e Nestlé, começam o manifesto se solidarizando com a dor de familiares e amigos de João Alberto, espancado, asfixiado e morto na quinta-feira 19, por dois seguranças em uma unidade do Carrefour em Porto Alegre.

Em seguida, as companhias assumem a realidade do racismo no país e suas consequências.

“Vamos fortalecer o compromisso de nossas empresas com ações concretas para combater o racismo estrutural. Criaremos um plano de ação em parceria com organizações e especialistas que possuem um conhecimento legítimo dessa causa. Tornaremos o documento público o mais rápido possível — e prestaremos contas regularmente. Reconhecemos que temos de mudar essa realidade e convidamos outras empresas e indústria a se unirem nesse compromisso pela equidade racial”, diz a imagem publicada nas redes sociais das empresas participantes do acordo.

Outras empresas que não participam deste comunicado também se manifestaram nos últimos dias, entre elas a P&G e a Ambev.

“Convocamos, hoje mesmo, o Carrefour e pedimos medidas imediatas e efetivas. Temos o compromisso inegociável de promover a equidade racial em todo o nosso ecossistema, o que inclui nossos parceiros, clientes e fornecedores e estamos prontos para trabalhar junto com eles para promover mudanças estruturais com urgência”, disse a publicação da fabricante de bebidas Ambev.

O Carrefour

O presidente da companhia no Brasil, Noel Prioux, publicou um vídeo pedindo desculpas pelo que chamou de “uma tragédia de dimensões incalculáveis”.

“Antes de tudo, meus sentimentos à família de João Alberto e meu pedido de desculpas aos nossos clientes, à sociedade e aos nossos colaboradores”.

Depois disso, o Carrefour assumiu compromisso público de combate ao racismo estrutural no Brasil.

“Comunicaremos nos próximos dias todas as nossas iniciativas e o comitê dedicado exclusivamente a esta causa”

Antes disso, o presidente global da rede, Alexandre Bompard, cobrou um posicionamento da direção brasileira pelo Twitter:

“Meus valores e os valores do Carrefour não compactuam com racismo e violência. Espero que o Grupo Carrefour Brasil se comprometa, além das políticas já implantadas pela empresa”.

Com informações da Exame

Continue lendo

BRASIL

Motoboy que filmou assassinato de João Alberto conta detalhes da cena

Publicado

em

Após espancarem e asfixiarem Beto Freitas, 40, em uma loja do Carrefour em Porto Alegre, funcionários da empresa passaram minutos tentando descobrir se ele estava vivo, disse àFolha que viu funcionários tentando descobrir se o homem estava vivo.

O motoboy, que pediu para não ter seu nome publicado por temores de segurança, foi buscar compras feitas por aplicativo para entregá-las a um cliente. Depois de colocar as sacolas no bagageiro da moto, prestes a deixar o local, viu o início da sessão de espancamento.

“Eu disse para um colega, também motoboy: Grava isso. Peguei meu telefone também. Foi muito soco”, disse. Foi esse motoboy que produziu as imagens disseminadas por redes sociais e veículos de imprensa que primeiro chamaram a atenção pública para o assassinato, ainda na noite de quina (19), quando ele ocorreu.

Segundo o motoboy, ele começou a filmar com o intuito de evitar que o espancamento continuasse, como uma forma de constranger os agressores para que interrompessem os golpes. “Tinha muito sangue no chão. Avisei que estava filmando. Daí veio uma moça, que depois soube ser fiscal do Carrefour, me ameaçando. Ela disse que ia me queimar na loja se continuasse”, contou.

Depois disso, outro funcionário do supermercado intimidou o motoboy para que parasse de filmar. “Fui ficando com medo e fui baixando o telefone. Mas fui tentando explicar que tinham que parar. Começaram a me coagir e pressionar. Baixei o telefone e conversei um pouco com a fiscal”, contou.

“Ela disse: Se acalmarem ele, eu tiro todo mundo de cima dele. Mas isso não aconteceu, ela não tirou.”

O motoboy diz que, nesse momento, a fiscal do Carrefour feriu a própria mão, dizendo que Beto havia cortado seu dedo. “Ela pegou a unha dela e começou a forçar no dedo. Não tinha machucado, eu olhei bem. Me chamou atenção ela tentar machucar a própria mão”, disse.

De acordo com o entregador, Beto pedia socorro. “Me ajuda, me ajuda”, contou ter escutado. “Cheguei a me aproximar para tentar ajudar, mas os seguranças não deixaram Nem eu nem a dona Milena, que foi empurrrada. Eles não chegaram a me empurrar, mas ela, sim”, disse sobre a viúva, Milena Borges Alves.

Segundo a testemunha, nas duas vezes em que tentou se aproximar de Beto, escutou ele pedindo ajuda. “Era um som, quando pedia ajuda, como se tivesse um líquido na boca, talvez sangue. Era um som diferente, não sei explicar, não era a voz normal Ele levou muito socos na boca, o queixo dele estava cortado. Machucaram muito ele, foi desproporcional o que fizeram”, disse.

Ele conta ter escutado Milena gritar: “Vocês vão matar meu marido”. ”Ela estava apavorada e começou a chorar”, disse.

O entregador conta que mais funcionários do mercado se aproximaram da cena. O que para eles parecia ser Beto se acalmando era, na verdade, ele morrendo, relata.

“Ele foi ficando roxo”, disse. “Vocês mataram ele, eu disse. Um dos funcionários perguntou se alguém sabia medir pulsação”, relata. Segundo o entregador, os funcionários passaram a tentar descobrir se Beto estava vivo.

“Medir pulsação?”, o motoboy conta que indagou revoltado. Ele escutou o outro entregador dizendo: “Ele está morto”. O motoboy disse que tentou acalmar Milena, dizendo à mulher que logo o Samu chegaria para cuidar de Beto.

Vídeos da câmera de segurança do Carrefour mostram que os seguranças asfixiaram Beto Freitas por quase quatro minutos.

O entregador diz que não consegue dormir direito desde que foi testemunha do assassianto e que ficou com medo de sofrer retaliação quando descobriu que um dos vigilantes também era policial.

O motoboy afirma que não escutou ofensas racistas a Beto, mas que concorda que existe racismo estrutural e cita um exemplo ocorrido nomesmo Carrefour:

“Um dia estava fazendo entrega ali e vi um garoto sendo acompanhado para fora pelos vigias. Perguntei para ele o que tinha acontecido. ‘Nada. Me disseram que eu estava demorando demais e me mandaram sair’. Ele não estava arrumado, era vendedor ambulante e aproveitou um trocado para comer pão de queijo e tomar café”. As informações são da Folha de S.Paulo.

Veja abaixo vídeo divulgado por O Globo

 
 
 

Continue lendo

Facebook

Publicidade

MAIS LIDAS DE HOJE

Copyright © 2020 Barra Portal - Todos os direitos reservados