Connect with us

PARAÍBA

Prefeita de cidade da PB reduz o próprio salário em 30% e anuncia contenção de despesas

Publicado

em

A prefeita do município de Monteiro, Anna Lorena, revelou neste final de semana que não vai implantar o reajuste aprovado na legislatura anterior pela Câmara Municipal de Vereadores, e reduziu o seu salário em 30%, fixando-o em R$ 14 mil, valor inferior ao recebido pela gestora anterior.

Ainda segundo a prefeita, outras despesas a exemplo de diárias, custeio, combustíveis e gratificações, entre outras passarão a ter um controle mais rígido e só serão realizadas com a sua expressa autorização.

Anna Lorena disse que estas medidas visam prevenir a possibilidade de uma crise futura nas finanças dos municípios. “O país vêm enfrentando uma crise preocupante, e, particularmente em nosso município nós temos enfrentado problemas com o repasse de recursos financeiros, a exemplo da UPA e SAMU que a mais de dois anos não recebem os recursos do Governo do Estado, causando um déficit superior a R$ 5 milhões e que vem sendo bancado pelo município”.

A prefeita acredita que a partir do mês de abril o país comece a superar esta crise econômica, o que tem provocado um aumento considerável de desemprego e uma redução nos repasse de recursos por parte dos governos federal e estadual.

“A princípio vejo a necessidade de realizarmos cortes para reduzirmos despesas e para darmos exemplo, começo pelo meu próprio salário”, afirmou Anna Lorena.

A prefeita de Monteiro antecipou que os serviços prestados pelas áreas de saúde, educação, abastecimentos de água e a infraestrutura municipal não sofrerão prejuízos.

“Momentaneamente estamos enfrentando algumas dificuldades com relação a reposição de lâmpadas e nos poços de abastecimentos de água porque todos os contratos firmados com os fornecedores foram encerrados em 31 de dezembro de 2016, daí a necessidade de realizarmos novas licitações para darmos sequência aos serviços, o que já está sendo providenciado”, concluiu a prefeita.

Ascom

Continue lendo
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PARAÍBA

Covid-19: prefeito paraibano é transferido para Hospital das Clínicas, em SP

Publicado

em

O prefeito de Brejo do Cruz, Francisco Dutra testou positivo para Covid-19 e precisou ser transferido na quarta-feira (25) para o Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP (Incor), em São Paulo. O gestor estava internado desde a terça-feira (24) em um hospital particular de João Pessoa após aumento gradual dos sintomas.

Dutra é esposo da deputada estadual Pollyanna Dutra e está sendo acompanhado pelo filho médico, Rodrigo Dutra.

De acordo com a assessoria de Pollyanna Dutra, Francisco estava recebendo acompanhamento em casa desde a confirmação do diagnóstico, mas por precaução, a família optou por interná-lo em um hospital particular da Capital, onde ele estava sendo medicado para contenção dos sintomas e o seu quadro era considerado estável. A transferência foi uma opção familiar, com o objetivo de garantir toda a assistência necessária.

Francisco Dutra, mais conhecido como Barão, tem 53 anos e possui quadro de pré-diabetes, que foi agravada com a confirmação da Covid-19, o que o coloca no grupo de risco da doença.

A família de Francisco Dutra e a deputada Pollyanna Dutra alertou a todos que tiveram contato direto com ele nos últimos dias para que se mantenham em distanciamento social pelo período de 14 dias, tempo recomendado para contenção da possível transmissão do vírus. Caso apresentem algum sintoma, a orientação é que procurem uma unidade de saúde para realização do teste para o diagnóstico da Covid-19.

Paraíba Já

Continue lendo

PARAÍBA

Ex-deputado federal Benjamim Maranhão é alvo de operação da PF na Paraíba

Publicado

em

O ex-deputado federal Benjamim Maranhão (MDB) e a mãe dele, ex-prefeita de Araruna, Wilma Maranhão (MDB) são alvos de uma operação da Polícia Federal que apura desvio de dinheiro em obras de combate à seca na Paraíba nesta quarta-feira (23).

Pelo menos 15 mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos em João Pessoa e Araruna, na Paraíba, e em Parnamirim, no Rio Grande do Norte. De acordo com a PF, a Operação “Poço Sem Fundo”, investiga desvio de dinheiro destinado à perfuração de poços e instalação de sistemas simplificados de abastecimento de água na Paraíba.

A defesa de Benjamim e de Wilma informou, às 10h, que tomou ciência prévia do que se trata a operação e que só vai se pronunciar após ter acesso aos autos. A defesa disse ainda que não há qualquer envolvimento de ambos no caso investigado.

As investigações começaram em 2016, último ano da gestão de Wilma. Além dela e do filho, também são alvos servidores do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) e empresas cujos nomes não foram divulgados. Benjamim foi candidato a prefeito de Araruna nas eleições deste ano, mas perdeu para Vital Costa (Progressistas), que teve 50,83% dos votos válidos.

Em João Pessoa, policiais federais e auditores da Controladoria-Geral da União cumpriram um dos mandados de busca e apreensão em um condomínio de luxo no bairro do Altiplano. Também estão sendo cumpridos mandados no prédio do DNOCS na capital. Pelo menos 70 policiais e sete auditores participam da ação.

Segundo as investigações da Polícia Federal, o direcionamento de contratos firmados entre as empresas investigadas, o DNOCS, o Incra e a Prefeitura de Araruna, por meio de procedimentos de licitação, envolviam o montante de cerca de R$ 54 milhões.

As irregularidades investigadas apontam para desvio de recursos destinados à implantação de sistemas de abastecimento d’água para a população carente do interior paraibano, castigada sobremaneira pelos longos períodos de estiagem.

O órgão explica que apura também a prática de superfaturamento dos contratos, atos de corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro por meio do uso de contas bancárias de empresas interpostas para dissimulação de movimentações financeiras. Quatro servidores públicos federais foram afastados das funções e tiveram os bens bloqueados, segundo a PF.

Em nota enviada à imprensa às 11h, o Incra informou que os contratos objetos da operação foram firmados em 2016 e 2017, na gestão anterior, e que nada foi executado e pago pela gestão atual. O órgão disse que desde o início das investigações, se colocou à disposição da polícia para prestar informações necessárias à apuração dos fatos. O Incra disse ainda que vem trabalhando em parceria com os órgãos de controle visando prevenir, identificar e coibir quaisquer irregularidades que possam ocorrer na aplicação de recursos públicos.

G1 PB

Continue lendo

Facebook

Publicidade

Copyright © 2020 Barra Portal - Todos os direitos reservados