Connect with us

SAÚDE

Quando você souber o que a margarina faz com seu corpo, nunca mais irá colocar isso na boca

Publicado

em

 

downloadNo século XIX, foi criado um produto que seria muito popular em vários lares na tentativa de substituir a manteiga, estamos falando da famosa margarina. Ainda que com o intuito de parecer mais saudável, a mistura de sebo de vaca, leite desnatado, partes menos nobres do porco e da vaca e mais bicarbonato de sódio, é um alimento muito consumido por milhares de pessoas.

O processo que envolve solventes de petróleo, ácido fosfórico e soda, resultam numa substância de cheiro péssimo e marrom, mas que com o tratamento de ácidos (clorídrico e sulfúrico), altas temperaturas e catalisação com níquel, acabam mudando o aspecto do alimento e o deixando hidrogenado.

large_margarina4
O resultado é o que vemos nas prateleiras do mercado, um produto de alta conservação, textura firme em temperatura ambiente e que não é atacado por fungos e nem por insetos ou roedores, e claro, não pode ser considerado um alimento A margarina é rica em gordura trans, insólita na natureza e de efeitos nocivos para a saúde humana. Além de tudo, essa gordura causa mais danos à saúde do que a própria saturada.
large_margarina3

Há alguns anos um artigo norte-americano alertou os perigos desse produto e falou das implicações que as poderosas multinacionais americanas sofriam do próprio país por oferecerem esse tipo de produto no mercado, que é considerado tão perigoso quanto o cigarro em termos de saúde.

O consumo da margarina pode ocasionar:

– disfunções imunológicas

– danos no fígado e digestivos

– danos no pulmão e órgãos reprodutivos

– diminuição na capacidade de aprendizado e crescimento

– problemas de peso

– aumento no risco de câncer

– transtornos do metabolismo do colesterol

– incremento de aterosclerose

– doenças cardíacas

large_margarina1

Já a manteiga, que muitos consideram nociva para a saúde, é muito melhor do que sua então substituta. Há dezenas de séculos elas é consumida e pode ser feita artesanalmente no ambiente familiar. O alimento só foi considerado politicamente incorreto depois da Revolução Industrial, que deformou o entendimento de saúde e bom senso.

Best of Web

Continue lendo
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

PARAÍBA

Paraíba registra alta na média móvel de mortes por covid-19 e fica no vermelho em avaliação do consórcio de imprensa

Publicado

em

A Paraíba apresentou alta de 16% na média móvel de mortes por covid-19 e ficou classificada no vermelho na última avaliação divulgada pelo consórcio de imprensa, nessa quinta-feira (3). A alta corresponde à comparação da média atual com a média de 14 dias antes. O consórcio reúne dados fornecidos por secretarias de Saúde de todo o Brasil.

Além da Paraíba, outros 12 estados apresentaram alta: Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Acre, Amapá, Rondônia, Ceará, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe. O destaque fica para o Rio Grande do Norte, que apresentou alta de 137% na média móvel de mortes.

No Brasil, houve estabilidade, assim como no Distrito Federal e dez estados: Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso, Amazonas, Pará, Roraima, Tocantins, Bahia, Maranhão e Piauí. 

Apenas três estados apresentaram queda na média: Rio de Janeiro, Goiás e Alagoas.

Continue lendo

SAÚDE

DEZEMBRO LARANJA: MÉDICO DÁ DICAS PARA PREVENIR O CÂNCER DE PELE

Publicado

em

Neste último mês do ano, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) promove o Dezembro Laranja, campanha pela prevenção ao Câncer da Pele, que neste ano ocorrerá em formato digital, com participação e engajamento dos médicos dermatologistas. O cirurgião oncológico do Hospital São Camilo Fortaleza, Bruno Lessa, dá três dicas essenciais para prevenir o câncer de pele, o tipo mais recorrente no Brasil, com cerca de 180 mil novos casos por ano.

A primeira delas é: evitar ou diminuir a exposição ao sol nos horários mais perigosos, que são os horários de 10h até 16h. Nesse período, a incidência do sol à radiação ultravioleta é muito intensa, então pode levar a pessoa a ter o câncer de pele.

Em segundo lugar, caso haja a necessidade de se expor ao sol, usar um protetor solar de fator (FPS) 50 ou mais. Se possível, fator 99, que teria um grande grau de proteção para a pele daquela pessoa. Usar chapéu e blusas de proteção UV, criando uma barreira, como aconselha o médico.

Por último, procurar o dermatologista com regularidade, pois ele tem um papel fundamental, que é prevenir que o paciente tenha câncer, identificar lesões pré-neoplásicas e fazer uma dupla, com o cirurgião oncológico, no tratamento.

Quando a doença é descoberta no início, tem mais de 90% de chances de cura. O câncer surge pelo crescimento anormal das células que compõem a pele e possui diferentes formas: basocelular, espinocelular e melanoma, entre outros. Bruno Lessa lembra: “o câncer mais comum é o câncer de pele. O Brasil é um país tropical que tem uma exposição de faixa ultravioleta perigosa. Em todos os países de clima muito quente, temos uma alta incidência de câncer de pele”.

Campanha Dezembro Laranja

Esta é a 7ª edição do movimento, que tem como tema “Câncer de pele é coisa séria”, com o intuito de fortalecer a importância da informação e educação em saúde para a sua prevenção e conscientização desde a infância. O cirurgião oncológico Bruno Lessa afirma que como é um câncer de pele muito ligado ao sol, a cor laranja é escolhida para caracterizar este mês. “Uma outra relação a essa campanha é que dezembro é o mês em que a crianças estão de férias e os pais acabam viajando para lugares mais ensolarados”, diz.

Desde 2014, importantes personalidades vestem a camisa da ação, além de prédios e monumentos que são iluminados com a cor símbolo da campanha, frisando o compromisso com a prevenção, o diagnóstico e tratamentos precoces. As hashtags utilizadas para a divulgação serão: #DezembroLaranja, #CancerdePeleECoisaSeria, #CancerdePele, #CampanhaCancerdePele2020.

Boa Notícia

Continue lendo

Facebook

Publicidade

Copyright © 2020 Barra Portal - Todos os direitos reservados