Connect with us

SAÚDE

Remédios caseiros para dermatite

Publicado

em

A dermatite é uma doença que provoca a inflamação da pele, com o surgimento de erosões, enrijecimento, eczemas, ressecamento, coceira e comichão. Existem diferentes tipos de dermatite e cada um deles exige um tratamento específico recomendado pelo médico.

Geralmente, o tratamento da dermatite é feito com um creme anti-histamínico ou corticoide indicado pelo dermatologista, mas existem alguns remédios caseiros que podem complementar este tratamento, aliviando os sintomas desagradáveis na pele.

Babosa ou aloe vera

Assim como em várias doenças da pele, como a psoríase, acne, eczemas, celulite etc., a aloe vera é um dos melhores remédios naturais para tratar a dermatite. Esta planta contém propriedades antissépticas e anti-inflamatórias que ajudam a acalmar a coceira e ardência das regiões afetadas, além de favorecer a regeneração e hidratação da pele.

Para aproveitar os benefícios da babosa, bata o “gel” da planta no liquidificador com um pouco de água, ou corte o talo pela metade e aplique sobre região afetada, com a parte interna da planta.

Aveia

A aveia é um cereal que proporciona bastante nutrição à pele e, por isso, é um ingrediente bastante presente em sabonetes, xampus e loções corporais. Alivia a coceira e reduz o enrijecimento, sendo muito usada para tratar eczemas.

Para aproveitar os benefícios da aveia no tratamento da dermatite, basta ferver meia caneca de aveia em um litro de água e esperar esfriar. Depois, molhe uma compressa no líquido e aplique sobre as lesões na pele. Outra dica é tomar um banho de aveia, acrescentando uma xícara de aveia bem moída na água morna da banheira.
Tomilho

Devido às suas propriedades antissépticas, o tomilho auxilia no tratamento da dermatite e outras afecções da pele. Para aliviar a coceira, ferva um punhado de tomilho em um litro de água e faça lavagens sobre a região da pele afetada.

Malva

A malva é uma das plantas medicinais que tratam os sintomas da dermatite e outros problemas, como erupções cutâneas, chagas, espinhas etc. Ferva algumas folhas secas de malva em meio litro de água e aplique como compressa fria sobre a pele afetada, durante aproximadamente 15 a 20 minutos.
Outras dicas

Além dos remédios caseiros listados acima, existem algumas outras medidas importantes para tratar a dermatite. É recomendado evitar as situações de estresse, hidratar bem a pele, usar sabonete neutro no banho, secar a pele muito bem e dar preferência às roupas de algodão leve.

REMÉDIO CASEIRO

Continue lendo

SAÚDE

Quatro sinais de deficiência em vitamina D

Publicado

em

Fique atento.

A vitamina D, ou a vitamina ‘do sol’, é essencial para o bom funcionamento do corpo. Esta vitamina é obtida principalmente através da exposição ao sol, embora os suplementos dietéticos e certos alimentos também possam ser fontes do nutriente.

Assim, deve ficar atento a estes quatro sinais de deficiência em vitamina D:

    1. A vitamina D desempenha um papel na função imunológica. Um dos sintomas mais comuns da sua deficiência é um risco maior de doenças ou infecções.

    2. A fadiga e o cansaço excessivos podem ser um sinal de deficiência de vitamina D. Tomar suplementos pode ajudar a melhorar os níveis de energia.

    3. Níveis baixos de vitamina D no sangue podem ser uma causa ou um fator contribuinte para dores nos ossos e na região lombar.

    4. A depressão está associada a baixos níveis de vitamina D e alguns estudos descobriram que a suplementação melhora o humor.
  1.  
      POR NMBR

Continue lendo

SAÚDE

Infectologistas recomendam suspensão de bebida alcoólica 14 dias antes da vacinação

Publicado

em

O consumo de álcool e a vacina não combinam. Com a campanha de imunização contra a Covid-19 em andamento, os especialistas alertam para alguns cuidados que devem ser tomados antes e depois de receber a dose para não interferir na resposta imune contra o vírus. O consumo de bebidas alcoólicas precisa ser evitado para garantir a eficácia do imunizante.

O médico infectologista e diretor do Hospital Clementino Fraga, em João Pessoa, Fernando Chagas, explicou que a bebida alcoólica não é recomendável para quem vai se vacinar contra a Covid-19.

O médico explicou que o álcool atrapalha a ação do linfócito T, uma célula muito importante na ação contra o coronavírus. “É importante dar uma pausa de pelo menos 14 dias antes da vacina e até quatro semanas depois da segunda dose”, explica o infectologista.

Conforme observou Fernando Chagas  o álcool também reflete na diminuição da imunidade e na redução da criação de anticorpos, deixando o paciente exposto, mesmo vacinado. Ele esclarece quais são as recomendações para alguns outros grupos.

De acordo com Fernando Chagas, a quimioterapia atrapalha muito a imunidade do paciente, dependendo do tipo de medicamento e do tempo de tratamento. Quando estiver perto do período de vacinação, o médico sugere uma visita ao oncologista para tratar sobre a liberação para receber a primeira dose.

Uma pesquisa divulgada pelo Departamento de Ciência e Tecnologia do Conselho Filipino para Pesquisa e Desenvolvimento em Saúde, aponta que beber demais pode afetar a resposta do corpo e diminuir a eficácia das vacinas contra a covid-19 no indivíduo.
Além da diminuição do grau de eficácia, o consumo de álcool também pode tornar a duração da imunidade menor, o que pode fazer com que sejam necessárias doses de reforço após as duas primeiras.

Desde que as primeiras doses começaram a ser aplicadas no Brasil, existe uma ansiedade em torno da possibilidade da retomada do “antigo normal”. Mas, apesar dos imunizantes serem importantes aliados na luta contra a pandemia, os cuidados individuais também são indispensáveis.

Segundo os infectologistas, o sistema demora pelo menos 14 dias depois da vacina para começar a produzir anticorpos, e a pessoa só fica protegida de fato depois da segunda dose caso o imunizante não seja de dose única.

PB Agora

Continue lendo

Facebook

Publicidade

Copyright © 2020 Barra Portal - Todos os direitos reservados