Connect with us

BRASIL

Roraima prepara gabinete de emergência para crise de refugiados venezuelanos

Publicado

em

O governo de Roraima vai criar um ‘gabinete de emergência’ para lidar com o fluxo de refugiados venezuelanos que atravessam a fronteira seca ao norte do Brasil buscando melhores condições de vida no País. As autoridades não têm uma contagem precisa do número de pessoas que já entraram no território brasileiro em tais condições, mas estimam que já passem dos 30 mil.

A formação do gabinete especial contará com representantes de diversas secretarias de governo, além da coordenação do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil. Segundo o comandante dos Bombeiros e da Defesa Civil, coronel Edvaldo Amaral, a medida é uma forma de intensificar a atividade estadual para tentar conter a crise. Apesar disso, a governadora Suely Campos, que deve avaliar nesta quinta-feira, 13, o texto do decreto, pretende exigir maior envolvimento do governo federal na questão. A reportagem procurou nesta quarta-feira, 12, os ministérios da Justiça e da Integração Nacional, mas não houve resposta.

Mas o novo esforço pode esbarrar em um problema mais local: o governo de Roraima atrasou os pagamentos de salário dos funcionários públicos e anunciou que pretende adotar medidas semelhantes às tomadas pelo Rio Grande do Sul, como o parcelamento do pagamento dos vencimentos dos servidores. O secretário da Fazenda do Estado, Shiská Pereira, atribui o problema a uma redução no repasse do Fundo de Participação dos Estados (FPE), do governo federal.

Enquanto as propostas de solução não saem do papel, venezuelanos que já atravessaram a fronteira se viram para ganhar a vida em Boa Vista, Pacaraima – primeira cidade após a fronteira – ou mesmo em Manaus, para onde partem ônibus regularmente da Rodoviária Internacional, na capital de Roraima.

Nos semáforos, muitos jovens, alguns com bonés de times de beisebol da Venezuela ou camisas da seleção venezuelana de futebol, se oferecem para limpar para-brisas dos automóveis, vendem morangos, fazem malabarismo em troco de moedas ou simplesmente pedem esmola.

A Polícia Federal deportou cerca de 140 deles no início da semana. As operações são feitas regularmente, mas o fluxo é tão grande que, segundo o coronel Amaral, é “enxugar gelo”. Para chegar a Boa Vista ou avançar até Manaus, os venezuelanos precisam de um visto especial que é concedido em um posto de fronteira pouco antes de Pacaraima.

Na cidade fronteiriça, os venezuelanos que tentam juntar dinheiro para seguir viagem a Boa Vista ou Manaus dormem nas ruas e aceitam todo tipo de trabalho. Dois deles disseram à reportagem que pretendem ir mais longe, até São Paulo, mesmo sem qualquer ideia de que tipo de trabalho conseguirão.

“A Venezuela piorou muito, muito. Tenho 29 anos e vi como era enquanto (Hugo) Chávez estava vivo e depois como foi piorando”, afirmou um deles, que se identificou apenas como Javier.

No comércio local, é mais comum encontrar funcionários nascidos na Venezuela do que no Brasil. Os mais jovens ainda nem sequer falam português e pedem ajuda a outros, que já vieram há mais tempo, para atender aos clientes que não compreendem espanhol. Em um dos muitos armazéns da cidade que vendem alimentos aos que atravessam a fronteira buscando produtos para revenda na Venezuela, cerca de 15 pessoas se aglomeram sob uma marquise improvisada.

Um deles, que se identificou apenas como Pedro, diz que estão à espera do amanhecer para trabalhar. O serviço é o de retirar os alimentos dos caminhões brasileiros e estocá-los no armazém. Às vezes, no entanto, a demanda é tão grande que os produtos como arroz e açúcar são transferidos diretamente dos veículos para caminhões, vans e caminhonetes venezuelanas.

Dormindo em redes esticadas entre a parede do armazém e uma pilastra da marquise, os carregadores foram apelidados de “morcegos” pelos moradores de Pacaraima. Nenhum deles quer revelar o quanto ganha com o trabalho, mas o pagamento não é suficiente para que deixem a cidade rumo a Boa Vista ou Manaus. “Se fosse, já teríamos ido, não?”, afirma Pedro.

Prostituição

Além da exploração de mão de obra barata no comércio e outros setores, a crise venezuelana que tem expulsado as pessoas na direção do Brasil também empurrou muitas mulheres para a prostituição. A Polícia Civil de Pacaraima não tem números exatos, mas um funcionário da delegacia local, que pediu para não ser identificado, confirmou que houve um aumento significativo da exploração sexual de venezuelanas na cidade. Segundo ele, a maioria das mulheres atravessa a fronteira diariamente, levada por aliciadores no fim da tarde, voltando para a Venezuela de manhã.

Apesar da situação de crise, a criminalidade não teve um aumento tão grande na cidade, afirmou o mesmo policial. Os episódios de violência, segundo o agente, geralmente ocorrem entre os próprios venezuelanos e são causados por rixas que já existiam antes de os refugiados cruzarem a fronteira para o Brasil.

Na semana passada, dois homens foram mortos a facadas durante uma briga entre grupos de venezuelanos na cidade.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Continue lendo
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

BRASIL

Bolsonaro transformou o Brasil em uma “câmara de gás a céu aberto”

Publicado

em

Brasil de Fato – “Nos tornamos uma câmara de gás a céu aberto”, diz um manifesto assinado por religiosos, artistas e intelectuais em referência ao papel do presidente Jair Bolsonaro durante a pandemia de coronavírus.

“Assistimos horrorizados ao extermínio sistemático de nossa população, sobretudo dos pobres, quilombolas e indígenas”, diz o texto que tem como signatários o padre Júlio Lancellotti, coordenador da Pastoral do Povo de Rua, o teólogo Leonardo Boff, dom Mauro Morelli, bispo emérito de Duque de Caxias (RJ), além de artistas como Chico Buarque e Zélia Duncan.

O manifesto foi divulgado na noite de sábado (6) e afirma que a população está refém “do genocida Jair Bolsonaro, que ocupa a presidência do Brasil, junto a uma gangue de fanáticos movidos pela irracionalidade fascista”.

O texto foi divulgado no momento em que o país encerra a semana mais letal desde o início da pandemia de coronavírus. O país ultrapassou a triste marca de 260 mil mortes por coronavírus registrada desde o início da pandemia e registrou recordes de mortes registradas em 24h ao longo da semana.

A “carta aberta à humanidade” classifica como “intencional” o colapso do sistema de saúde no país.

Leia também: Mulheres repudiam ministra Damares em manifesto pelo 8 de Março

“O descaso com a vacinação e as medidas básicas de prevenção, o estímulo à aglomeração e à quebra do confinamento, aliados à total ausência de uma política sanitária, criam o ambiente ideal para novas mutações do vírus e colocam em risco toda a humanidade”, diz o texto.

Confira na íntegra o texto da carta

“Vivemos tempos sombrios, onde as piores pessoas perderam o medo e as melhores perderam a esperança.”
Hanna Arendt

O Brasil grita por socorro.

Brasileiras e brasileiros comprometidos com a vida estão reféns do genocida Jair Bolsonaro, que ocupa a presidência do Brasil, junto a uma gangue de fanáticos movidos pela irracionalidade fascista.

Esse homem sem humanidade nega a ciência, a vida, a proteção ao meio ambiente e a compaixão. O ódio ao outro é sua razão no exercício do poder.

O Brasil hoje sofre com o intencional colapso do sistema de saúde. O descaso com a vacinação e as medidas básicas de prevenção, o estímulo à aglomeração e à quebra do confinamento, aliados à total ausência de uma política sanitária, criam o ambiente ideal para novas mutações do vírus e colocam em risco toda a humanidade. Assistimos horrorizados ao extermínio sistemático de nossa população, sobretudo dos pobres, quilombolas e indígenas.

Nos tornamos uma “câmara de gás” a céu aberto.

O monstruoso governo genocida de Bolsonaro deixou de ser apenas uma ameaça para o Brasil para se tornar uma ameaça global.

Apelamos às instâncias nacionais – STF, OAB, Congresso Nacional, CNBB – e às Nações Unidas. Pedimos urgência ao Tribunal Penal Internacional (TPI) na condenação da política genocida desse governo que ameaça a civilização.

Vida acima de tudo!

 

Fonte: Rede Brasil Atual

Continue lendo

BRASIL

Hospitais começaram a lotar de jovens na pandemia após Ano Novo

Publicado

em

Na última semana, os leitos do Hospital Risoleta Tolentino Neves, em Belo Horizonte, voltaram a alcançar 100% de ocupação, com possibilidade e necessidade de expansão das enfermarias.

Quem torce pela melhora no cenário a curto prazo é o médico intensivista Claudio Lemos.

“A gente nota que há um perfil um pouco mais jovem. Pessoas abaixo dos 40, 50 anos, sem comorbidade. Ainda tem os idosos acima dos 75, só que o percentual, que antes era 80% (de ocupação por idosos), agora está em 60%. Estamos lotados; março vai ser um mês triste”, prevê.

 

(…)

VEJA TAMBÉM – VÍDEO: Colapso na saúde mostra que maioria de internados com covid são jovens

 

DCM

Continue lendo

Facebook

Publicidade

Copyright © 2020 Barra Portal - Todos os direitos reservados