Connect with us

BRASIL

Sergio Moro é eleito pela 2ª vez a Personalidade do Ano; protestos de março contra Dilma são o Fato de 2015

Publicado

em

Dois mil e quinze foi o ano em que o petrolão ganhou dimensões espantosas. Mais empresários envolvidos, políticos graúdos denunciados, mais revelações sobre o assalto organizado à Petrobras. Mas foi também o ano do castigo. Sergio Moro, o juiz à frente dos processos da operação Lava Jato, da Polícia Federal, começou a proferir sentenças, mandando para a cadeia gente que se beneficiou da roubalheiro. Colocando gente graúda atrás das grades, Moro parece ter devolvido aos brasileiros a esperança na Justiça. Foi certamente a recuperação desse sentimento que animou 61% dos leitores que participaram da votação da Personalidade do Ano, promovida por VEJA e Twitter, a escolher o juiz de Curitiba a figura pública mais importante do ano – depois dele aparecerem a lutadora de UFC Ronda Rousey (33% dos votos) e Kim Kataguiri (3%), um dos líderes do Movimento Brasil Livre. É a segunda vitória de Moro: em 2014, ano em que estourou o petrolão, a intransigência do juiz com a roubalheira já havia levado o magistrado a derrotar todos os candidatos.

Confira:

Resultado final da votação 2015

Resultado final da votação 2014

Resultado final da votação 2013

Os leitores de VEJA e usuários do Twitter foram convidados também a escolher, via voto na rede social, qual o Fato mais marcante de 2015. O vencedor parece expressar o mesmo desejo contido no voto do juiz Moro: repúdio aos malfeitos do governo e do PT e a vontade de mudança. Os protestos de março – que levaram quase 2 milhões de brasileiros às ruas contra o governo Dilma – venceu a disputa com 56% dos votos, seguido pelo início do processo de impeachment de Dilma na Câmara (18% dos votos) e a tragédia de Mariana (10%).

É a terceira vez que VEJA.com realiza a eleição em parceria com o Twitter – a segunda, contudo, em que há também a categoria Fato do Ano. Em todas as oportunidades, os candidatos (sempre em torno de 15 em cada categoria) foram apontados por editores de VEJA.com. Os leitores, então, foram convidados a escolher os melhores, tuitando seu voto. Os eleitores recebiam em resposta uma mensagem de agradecimento e, em alguns casos, um breve histórico relembrando o que candidato havia feito naquele ano.

A votação foi aberta no dia 19 de dezembro e encerrada nesta quarta-feira. Foram computadas as mensagens publicadas no Twitter que continham, simultaneamente, o texto #VejaPersonalidade2015 e o nome de um dos candidatos antecedido do símbolo hashtag – por exemplo: #SergioMoro. O mesmo valia para a votação do Fato do Ano, para a qual foram considerados tuítes contendo a hashtag #VejaFato2015 acompanhados de um dos candidatos a evento mais marcante, como #CriseDosRefugiados, em referência ao drama dos imigrantes que deixam guerras e miséria na África, Oriente Médio e Ásia e tentam a sorte na Europa. Cada tuíte correspondia a um voto.

Agradecemos a todos pela participação! Um feliz 2016!

Veja

Continue lendo
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

BRASIL

Sem opção: depois de arroz, óleo e carne, preço da batata dispara 33%

Publicado

em

Depois de ver o preço do arroz, do óleo e da carne dispararem, o brasileiro agora faz as contas na hora de comprar batata. O preço do tubérculo disparou 33,37% entre outubro e novembro, segundo a prévia da inflação oficial do país medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O indicador, IPCA-15, foi divulgado nesta terça-feira (24).

O pior é que esse reajuste não veio sozinho. Todos aqueles itens que já vinham aumentando continuaram na escalada de preços entre meados do mês passado e deste. O óleo de soja para fazer a batata frita subiu 14,85%, a carne para o bife aumentou 4,89% e o arroz continuou sua escalada, com reajuste de 8,29%.

A Associação Paulista de Supermercados (Apas) já tinha detectado essas variações nos preços dos varejistas do estado de São Paulo. O levantamento divulgado na quinta-feira (19) pela entidade mostrava aumento em outubro de 22,5% na batata, 16,4% no óleo de soja e 5,38% na carne. Segundo a associação, entre os cortes que registraram inflações estão a picanha (11,16%), patinho (8,67%) e contrafilé (7,16%).

Razões climáticas

Segundo análise do Cepea-USP (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), o final da safra de inverno da batata e uma quebra de produção na região Sul diminuíram a oferta do produto e influenciaram na alta dos preços.

De acordo com os analistas do centro, a quebra no Sul se deveu ao baixo volume de chuva registrado durante as fases de plantio e desenvolvimento da cultura. A expectativa é que o volume comece a aumentar nas próximas semanas. Se isso se confirmar, o preço deve cair.

Puxado pelo grupo de alimentos e bebidas, o IPCA-15 marcou 0,81% em novembro, o maior número para o mês desde 2015.

Para elaborar o indicador deste mês, os preços foram coletados entre 14 de outubro e 12 de novembro e comparados aos valores pesquisados entre 12 de setembro a 13 de outubro.

Revista Fórum

Continue lendo

BRASIL

Polícia prende funcionária do Carrefour, terceira envolvida na morte de João Alberto

Publicado

em

A Polícia Civil prendeu nesta terça-feira (24) a funcionária do Carrefour Adriana Alves Dutra por suspeita de envolvimento na morte de João Alberto Freitas. A agente de fiscalização do supermercado aparece nos vídeos que foram gravados por testemunhas, andando ao redor da vítima, e parece dar ordens por meio de um rádio. Ao ver que está sendo filmada, ela tenta impedir e discute com pessoas. 

Beto, como era conhecido, era negro e foi espancado até a morte por dois seguranças em unidade do Carrefour em Porto Alegre, no dia 19 de novembro.

Segundo a Polícia Civil, Adriana tem uma atuação determinante na morte de João Alberto por estar no comando dos dois seguranças que o espancaram, Giovane Gaspar e Magno Borges, que já estão presos.

Em coluna no 247, o jornalista Marcelo Auler havia cobrado a responsabilização de mais pessoas na morte de João Alberto. “É o caso de Adriana Alves Dutra, agente de fiscalização do supermercado, que aparece na cena do crime filmando toda a agressão sem nada fazer para impedi-la”, escreveu.

A morte de Beto Freitas estimulou diversos protestos contra o racismo e violência contra pessoas negras pelo Brasil. Um dos principais focos de revolta foi o Carrefour, que tem um histórico de envolvimento em casos de racismo.

Brasil 247

Continue lendo

Facebook

Publicidade

Copyright © 2020 Barra Portal - Todos os direitos reservados