Connect with us

POLÍTICA

STF ordena quebra de sigilo bancário de Waldir Maranhão

Publicado

em

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, ordenou a quebra de sigilo bancário do presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo desta segunda-feira. A decisão foi tomada no dia 27 de junho, depois de a Procuradoria-Geral da República apontar, em petição, “fortes indícios” de envolvimento do parlamentar em fraudes com institutos de previdência de servidores públicos.

A ação no STF decorre da Operação Miqueias, deflagrada pela Polícia Federal em setembro de 2013, que apurava a existência de uma rede de empresas de fachada usadas para lavagem de dinheiro que estavam no nome do Fayed Antoine Traboulsi, e que teria desviado 50 milhões de reais. Em um dos esquemas, Maranhão aparece como intermediário.

Segundo a PF, o grupo usava contas bancárias de empresas fantasmas que eram abastecidas com dinheiro relacionado à venda de títulos a diversos fundos de previdência estaduais e municipais. De acordo com as investigações, o esquema usava corretores de valores para cooptar prefeitos e gestores dos fundos de previdência, com o objetivo de adquirir papeis podres – que não têm valor no mercado e que a curto e médio prazos gerariam prejuízos aos fundos. Em troca da aquisição, os criminosos remuneravam os agentes públicos com dinheiro e presentes.

Reportagem de VEJA revelou, em maio deste ano – quando Maranhão assumiu a presidência da Câmara após o STF afastar o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) – que, em um dos casos investigados pela PF, o deputado aparece como intermediário de um “negócio” de 6 milhões de reais com a prefeitura de Santa Luzia, no interior maranhense. Em troca, o parlamentar teria recebido 1% da operação: 60.000 reais.

Um participante do esquema contou aos investigadores que uma parte da comissão – 10.000 reais – foi depositada na conta da mulher de Waldir Maranhão. O pedido, disse a testemunha, foi feito pelo próprio deputado, que “precisava do dinheiro para pagar uma viagem para o Rio de Janeiro”, às vésperas do réveillon.

Durante as investigações, Waldir Maranhão foi flagrado em conversas telefônicas com o doleiro quando o esquema estava no auge. Nos diálogos, o deputado aparece como um legítimo funcionário do doleiro: chega a marcar encontros de Fayed com prefeitos aliados, faz visitas a autoridades para resolver assuntos de interesse do esquema e atua como captador de novos negócios para a quadrilha.

O advogado de Waldir Maranhão, Michel Saliba, afirmou que a quebra de sigilo é “absolutamente normal dentro de um procedimento investigatório” e que ele está à disposição para dar esclarecimentos. “O deputado está absolutamente tranquilo sobre a investigação. Quanto mais se investiga, mais se concluirá pela absolvição do deputado”, disse o defensor.

Veja

Continue lendo
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

POLÍTICA

Bolsonaro se preocupa com migração de empresários, católicos e evangélicos para Lula

Publicado

em

O presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) está preocupado com o avanço do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre empresários, católicos e, sobretudo, evangélicos. Lula tem feito conversas informais com estes setores desde antes do STF (Supremo Tribunal Federal) tê-lo tornado elegível para 2022.

Por conta disto, Bolsonaro foi aconselhado a se antecipar na articulação à reeleição para evitar que o petista avance sobre grupos de eleitores que apoiaram a sua eleição em 2018.

Deputados e senadores governistas têm alertado Bolsonaro desde o início deste mês sobre a necessidade de ele fazer uma contraofensiva.

Um dos nomes que está em disputa, segundo assessores de Bolsonaro, é Josué Alencar, da Coteminas. Lula já sinalizou a integrantes do centrão o interesse em ter como candidato a vice o filho do seu vice-presidente José Alencar e empresário filiado ao PL, partido da base aliada de Bolsonaro.

O agravamento da pandemia e a escalada da crise política com a instalação da CPI da Covid jogam contra Bolsonaro e pode levar parcela desses setores conservadores a migrar para candidaturas oposicionistas.

Pesquisa PoderData, do site Poder360, sobre a corrida presidencial de 2022, divulgada nesta quarta-feira (14), mostra que o ex-presidente Lula disparou nas intenções de voto em um eventual segundo turno contra Jair Bolsonaro e venceria o atual presidente com ampla vantagem.

No levantamento feito pelo PoderData em 17 de março, Lula tinha 41% das intenções de voto, contra 36% de Bolsonaro. Na nova pesquisa, o petista soma 52%, enquanto o titular do Planalto apresenta queda, marcando 34% das intenções de voto.

Com informações da Folha

Continue lendo

POLÍTICA

Golpe contra Dilma completa cinco anos, marcados pela destruição da economia, das instituições e da imagem do Brasil

Publicado

em

No dia 17 de abril de 2016, há exatos cinco anos, o Brasil provocou perplexidade internacional, ao revelar ao mundo que uma sessão da Câmara dos Deputados seria capaz iniciar um processo de impeachment contra uma presidente honesta, Dilma Rousseff, com votos de parlamentares corruptos, como Eduardo Cunha, e exaltadores da tortura, como Jair Bolsonaro. Naquele dia, foi realizada a sessão mais infame da história da Câmara dos Deputados, a partir de uma farsa: a tese das “pedaladas fiscais” criada pelo PSDB para retornar ao poder após quatro derrotas eleitorais.

Naquela sessão, parlamentares corruptos se uniram para derrubar um governo progressista e instalar no poder uma aliança entre a velha política representada por Michel Temer e o neoliberalismo do PSDB e do DEM. Graças a essa farsa histórica, apoiada pelos veículos de comunicação da imprensa corporativa, teve início um processo de destruição da economia nacional, das instituições republicanas e da imagem internacional do Brasil. Após a queda de Dilma, acelerou-se a retirada de direitos trabalhistas, a entrega do pré-sal e o fim da soberania nacional. Os governos seguintes, do traidor Michel Temer e do neofascista Jair Bolsonaro, praticamente eliminaram a influência geopolítica do Brasil, que passou a atuar como satélite dos Estados Unidos.

Na economia, a prometida “volta da confiança” jamais se materializou. O mercado de consumo interno do Brasil se tornou cada vez mais anêmico e o país se tornou ainda mais dependente do agronegócio. No campo dos direitos humanos, houve imenso retrocesso, assim como na educação, na cultura, na ciência e tecnologia e no combate à corrupção. Além disso, com o esquartejamento da Petrobrás e a privatização de ativos estatais, a concentração de riqueza se tornou ainda maior no Brasil. Para completar a destruição, o Brasil voltou ao mapa da fome, do qual havia sido retirado na gestão de Dilma Rousseff.

 

Continue lendo

Facebook

Publicidade

Copyright © 2020 Barra Portal - Todos os direitos reservados