Connect with us

POLÍTICA

Veja como votou cada senador sobre prisão de Delcídio do Amaral 26

Publicado

em

Por 59 votos a 13 e uma abstenção, o Senado decidiu em votação aberta manter a prisão do senador Delcídio do Amaral (PT-MS), preso na manhã desta quarta-feira (25) sob acusação do Ministério Público Federal de tentar atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato. Setenta e quatro parlamentares estiveram presentes na sessão.

Dos 13 votos que pediram a suspensão da prisão de Delcídio, nove são de petistas, que acompanharam a orientação do partido. No entanto, dois senadores da bancada optaram por manter a decisão do STF: Paulo Paim (RS) e Walter Pinheiro (BA), que já haviam escolhido o voto aberto –o PT se posicionou pela votação fechada.

Também votaram contra a decisão do STF os senadores Fernando Collor (PTB-AL), Telmário Motta (PDT-RR), João Alberto Souza (PMDB-MA) e Roberto Rocha (PSB-MA). A única abstenção foi a de Edison Lobão (PMDB-MA).

Veja como votaram os senadores

DEM

Davi Alcolumbre              DEM           AP      Sim
José Agripino                   DEM           RN     Sim
Ricardo Franco                DEM           SE     Sim
Ronaldo Caiado              DEM           GO    Sim

PCdoB

Vanessa Grazziotin      PCdoB          AM    Sim

PDT

Acir Gurgacz                    PDT             RO      Sim
Cristovam Buarque        PDT             DF      Sim
Lasier Martins                 PDT             RS      Sim
Reguffe                            PDT             DF       Sim
Telmário Mota                PDT             RR      Não
Zeze Perrella                  PDT             MG     Sim

PMDB

Dário Berger                  PMDB           SC    Sim
Edison Lobão                PMDB           MA   Abstenção
Eunício Oliveira             PMDB           CE    Sim
Garibaldi Alves Filho    PMDB           RN   Sim
Jader Barbalho              PMDB           PA    Sim
João Alberto Souza      PMDB           MA    Não
José Maranhão             PMDB           PB    Sim
Marta Suplicy                 PMDB          SP    Sim
Raimundo Lira               PMDB          PB     Sim
Renan Calheiros           PMDB          AL     Não vota
Ricardo Ferraço            PMDB          ES     Sim
Roberto Requião          PMDB          PR     Sim
Romero Jucá                 PMDB          RR     Sim
Rose de Freitas             PMDB          ES     Sim
Sandra Braga                PMDB          AM    Sim
Simone Tebet                PMDB          MS    Sim
Valdir Raupp                  PMDB         RO     Sim
Waldemir Moka              PMDB         MS    Sim

PP

Ana Amélia                      PP               RS    Sim
Benedito de Lira             PP                AL    Sim
Nogueira                          PP                PI    Ausente
Gladson Cameli              PP               AC   Ausente
Ivo Cassol                        PP               RO   Sim
Wilder Morais                  PP              GO    Sim

PPS

José Medeiros                PPS            MT   Sim

PR

Blairo Maggi                     PR              MT     Sim
Magno Malta                    PR              ES     Sim
Vicentinho Alves             PR               TO     Sim
Wellington Fagundes     PR               MT    Ausente

PRB

Marcelo Crivella               PRB            RJ   Sim

PSB

Antonio Carlos Valadares  PSB        SE    Sim
Fernando Bezerra Coelho PSB        PE    Sim
João Capiberibe                  PSB         AP   Sim
Lídice da Mata                      PSB         BA    Sim
Lúcia Vânia                           PSB          GO   Sim
Roberto Rocha                     PSB          MA    Não
Romário                                 PSB           RJ    Sim

PSC

Eduardo Amorim              PSC         SE    Sim

PSD

Hélio José                           PSD           DF   Sim
Omar Aziz                            PSD          AM   Sim
Otto Alencar                        PSD           BA   Sim
Sérgio Petecão                  PSD           AC   Sim

PSDB

Aécio Neves                       PSDB         MG        Sim
Aloysio Nunes Ferreira    PSDB          SP        Sim
Alvaro Dias                         PSDB          PR       Ausente
Antonio Anastasia             PSDB          MG      Ausente
Ataídes Oliveira                 PSDB           TO      Sim
Cássio Cunha Lima         PSDB           PB      Sim
Dalirio Beber                     PSDB           SC    Sim

Flexa Ribeiro                     PSDB           PA    Sim

José Serra                           PSDB            SP   Sim
Paulo Bauer                       PSDB             SC   Sim
Tasso Jereissati                 PSDB            CE    Sim

PT

Angela Portela                      PT               RR    Não
Donizeti Nogueira                PT               TO    Não
Fátima Bezerra                     PT                RN   Ausente
Gleisi Hoffmann                   PT                 PR   Não
Humberto Costa                  PT                 PE   Não
Jorge Viana                          PT                 AC   Não
José Pimentel                       PT                CE   Não
Lindbergh Farias                  PT                RJ    Não
Paulo Paim                            PT                RS   Sim
Paulo Rocha                         PT                 PA   Não
Regina Sousa                      PT                  PI     Não
Walter Pinheiro                    PT                  BA   Sim

PTB

Douglas Cintra                   PTB                  PE   Sim
Elmano Férrer                    PTB                   PI   Sim
Fernando Collor                 PTB                   AL  Não

Rede

Randolfe Rodrigues         REDE                AP    Sim

 

UOL

Continue lendo
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

POLÍTICA

Bolsonaro se preocupa com migração de empresários, católicos e evangélicos para Lula

Publicado

em

O presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) está preocupado com o avanço do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre empresários, católicos e, sobretudo, evangélicos. Lula tem feito conversas informais com estes setores desde antes do STF (Supremo Tribunal Federal) tê-lo tornado elegível para 2022.

Por conta disto, Bolsonaro foi aconselhado a se antecipar na articulação à reeleição para evitar que o petista avance sobre grupos de eleitores que apoiaram a sua eleição em 2018.

Deputados e senadores governistas têm alertado Bolsonaro desde o início deste mês sobre a necessidade de ele fazer uma contraofensiva.

Um dos nomes que está em disputa, segundo assessores de Bolsonaro, é Josué Alencar, da Coteminas. Lula já sinalizou a integrantes do centrão o interesse em ter como candidato a vice o filho do seu vice-presidente José Alencar e empresário filiado ao PL, partido da base aliada de Bolsonaro.

O agravamento da pandemia e a escalada da crise política com a instalação da CPI da Covid jogam contra Bolsonaro e pode levar parcela desses setores conservadores a migrar para candidaturas oposicionistas.

Pesquisa PoderData, do site Poder360, sobre a corrida presidencial de 2022, divulgada nesta quarta-feira (14), mostra que o ex-presidente Lula disparou nas intenções de voto em um eventual segundo turno contra Jair Bolsonaro e venceria o atual presidente com ampla vantagem.

No levantamento feito pelo PoderData em 17 de março, Lula tinha 41% das intenções de voto, contra 36% de Bolsonaro. Na nova pesquisa, o petista soma 52%, enquanto o titular do Planalto apresenta queda, marcando 34% das intenções de voto.

Com informações da Folha

Continue lendo

POLÍTICA

Golpe contra Dilma completa cinco anos, marcados pela destruição da economia, das instituições e da imagem do Brasil

Publicado

em

No dia 17 de abril de 2016, há exatos cinco anos, o Brasil provocou perplexidade internacional, ao revelar ao mundo que uma sessão da Câmara dos Deputados seria capaz iniciar um processo de impeachment contra uma presidente honesta, Dilma Rousseff, com votos de parlamentares corruptos, como Eduardo Cunha, e exaltadores da tortura, como Jair Bolsonaro. Naquele dia, foi realizada a sessão mais infame da história da Câmara dos Deputados, a partir de uma farsa: a tese das “pedaladas fiscais” criada pelo PSDB para retornar ao poder após quatro derrotas eleitorais.

Naquela sessão, parlamentares corruptos se uniram para derrubar um governo progressista e instalar no poder uma aliança entre a velha política representada por Michel Temer e o neoliberalismo do PSDB e do DEM. Graças a essa farsa histórica, apoiada pelos veículos de comunicação da imprensa corporativa, teve início um processo de destruição da economia nacional, das instituições republicanas e da imagem internacional do Brasil. Após a queda de Dilma, acelerou-se a retirada de direitos trabalhistas, a entrega do pré-sal e o fim da soberania nacional. Os governos seguintes, do traidor Michel Temer e do neofascista Jair Bolsonaro, praticamente eliminaram a influência geopolítica do Brasil, que passou a atuar como satélite dos Estados Unidos.

Na economia, a prometida “volta da confiança” jamais se materializou. O mercado de consumo interno do Brasil se tornou cada vez mais anêmico e o país se tornou ainda mais dependente do agronegócio. No campo dos direitos humanos, houve imenso retrocesso, assim como na educação, na cultura, na ciência e tecnologia e no combate à corrupção. Além disso, com o esquartejamento da Petrobrás e a privatização de ativos estatais, a concentração de riqueza se tornou ainda maior no Brasil. Para completar a destruição, o Brasil voltou ao mapa da fome, do qual havia sido retirado na gestão de Dilma Rousseff.

 

Continue lendo

Facebook

Publicidade

Copyright © 2020 Barra Portal - Todos os direitos reservados